Perito preocupado com 1,5 milhão de deslocados internos na Síria

Perito preocupado com 1,5 milhão de deslocados internos na Síria

Para relator especial sobre os Direitos Humanos dos Deslocados Internos número crescente de sírios é forçado a fugir diariamente devido à violência; situação dos deslocados está a ser agravada pela falta de acesso a cuidados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A falta de atenção aos direitos humanos foi apontada como principal causa da “grave crise de deslocamento interno” na Síria, quando confrontos entre o exército e forças da oposição intensificam.

O relator especial sobre os Direitos Humanos dos Deslocados Internos,  Chaloka Beyani, expressou profunda preocupação com os cerca de 1,5 milhão de sírios que deixaram as suas casas devido ao conflito armado.

Agências humanitárias acreditam que até 15 mil pessoas podem ter morrido desde o início dos combates, em Março do ano passado.

Fuga Forçada

Numa nota publicada esta quinta-feira, em Genebra, Beyani aponta para um número crescente de sírios forçados a fugir, diariamente, em busca  de  refúgio em famílias de acolhimento, escolas e abrigos improvisados.

Um apelo foi lançado às autoridades e às partes envolvidas no conflito no sentido de que seja garantido o respeito pelo direito internacional, incluindo os direitos humanos e o direito humanitário.

Proteção

O perito aponta que o objetivo é que seja garantida proteção e assistência aos deslocados internos, impedindo que ocorram condições que possam levar à escalada do deslocamento forçado de pessoas.

O governo sírio foi particularmente exortado a permitir que agências humanitárias tenham um “acesso pleno e irrestrito” com vista a que sejam cobertas as necessidades dos deslocados internos.

Oposição

Beyani também apelou às forças da oposição e a outros grupos armados a respeitar os corredores, além de permitir a passagem de auxílio pelas áreas onde atuam.

O relator indica que a situação dos deslocados está a ser agravada pela falta de acesso a cuidados de saúde, abrigo, comida, água e outros serviços essenciais.

Perseguição

As partes em conflito foram lembradas que os deslocados internos têm o direito de solicitar e receber proteção e assistência humanitária sem perseguição nem punição.

A necessidade de a comunidade internacional disponibilizar fundos para auxiliar o esforço humanitário para os deslocados internos na Síria, foi igualmente referida pelo perito da ONU.