Guterres apela por mais apoios para malianos, na visita ao Burkina Faso

Guterres apela por mais apoios para malianos, na visita ao Burkina Faso

Mais de 250 mil deslocados do conflito estão abrigados nos países vizinhos; de acordo com o Acnur, crise é agravada pelas chuvas irregulares, colheitas perdidas e subida dos preços alimentares.

[caption id="attachment_207936" align="alignleft" width="350" caption="António Guterres "]

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O alto comissário da ONU para Refugiados pediu mais apoios para os malianos dispersos na África Ocidental, no início de visita de três dias ao Burkina-Faso.

Juntamente com a Mauritânia e o Níger, o país acolhe mais de 250 mil deslocados do conflito iniciado no princípios deste ano.

Impacto

De acordo com o Acnur, a visita de António Guterres visa analisar a situação humanitária tida como “cada vez mais crítica”, além do seu impacto nos países vizinhos.

Em Janeiro, uma ofensiva levada a cabo pelos rebeldes Tuaregue e seus aliados culminou com o controlo do norte do país em Abril. O Acnur refere que, a nível interno, cerca de 167 mil malianos teriam deixado as suas casas.

Chuvas Irregulares

Na deslocação,  iniciada esta terça-feira, o alto comissário faz-se acompanhar pela secretária de Estado adjunta para a População, Refugiados e Migração dos Estados Unidos, Anne Richard.

Chuvas irregulares, colheitas perdidas e preços elevados dos alimentos associados a conflitos são tidos como fatores que levaram à existência de mais de 10 milhões de necessitados de assistência de emergência na região.