Acnur inicia repatriação de burundeses (Português para a África)

Acnur inicia repatriação de burundeses (Português para a África)

Segundo Acnur, trata-se de um dos casos mais antigos no mundo. Esses refugiados deixaram o Burundi em 1972.

Helder Gomes, da Rádio ONU em Nova York.

O alto-comissário das Nações Unidas para Refugiados, António Guterres, termina nesta segunda-feira uma visita à Tanzânia no final de uma viagem à África Austral que o levou também ao Uganda.

Na Tanzânia, Guterres lançou uma operação de repatriação gradual de refugiados burundeses que vivem no país. O programa terá a duração de dois anos.

Segundo o Acnur, trata-se de um dos casos mais antigos no mundo, pois foram pessoas que deixaram o Burundi em 1972.

A agência calcula que o número ascende a 218 mil pessoas, das quais 46 mil já manifestaram o desejo de regressar.

Neste domingo, António Guterres inaugurou um processo de registo de cerca de 76 mil refugiados burundeses que preferem obter a cidadania tanzaniana e permanecer no país.

Deslocados internos

Antes da Tanzânia o chefe do agência da ONU para refugiados visitou o Uganda onde vivem cerca de 850 mil deslocados internos.

Ele lembrou que o conflito entre o governo ugandês e os rebeldes do Exército de Resistência do Senhor, provocou mais de 2 milhões de deslocados internos. Destes, metade já regressou às suas casas.

Guterres elogiou o Uganda por estar a acolher milhares de pessoas que fogem de países vizinhos onde se registam confrontos armados.