Cerca de 2,6 biliões não têm acesso a saneamento básico, alerta Unicef

Cerca de 2,6 biliões não têm acesso a saneamento básico, alerta Unicef

Dezenas de pessoas se reuniram na sede do Fundo das Nações Unidas para Infância, Unicef, para discutir a crise global de saneamento básico.

E deste total, quase 1 bilhão são crianças.

A redução pela metade do número de pessoas vivendo nestas condições é um dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio da ONU.

A consultora do governo brasileiro e representante da ONG Água e Vida, Teia Magalhães, disse à Rádio ONU, que a continuidade nas obras de saneamento são uma peça-chave para o acesso da população ao serviço.

Teia Magalhães disse também que a integração dos catadores de lixo às iniciativas de saneamento ajudaria muitas comunidades locais.

Ela aproveitou para condenar o uso de crianças trabalhando em lixeiras.

Segundo o Unicef, falta de acesso a esgoto e água tratados é responsável pela morte de milhares de pessoas todos os anos.

O evento em Nova York é uma preparação para o Ano Internacional de Saneamento em 2008. A data foi declarada pela Assembleia-Geral da ONU.