Mais de 60 mil migrantes passaram por Agadez, a sair ou a entrar no Níger

27 maio 2016

Número foi registado pela Organização Internacional para Migrações, OIM, entre fevereiro e abril; maioria deixava o Níger, enquanto 16 mil eram migrantes a entrar no país, rota de trânsito para civis da Argélia e Líbia.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Por meio de seu programa de rastreamento, a Organização Internacional para Migrações, OIM, registou mais de 60 mil migrantes que passam por cidades na região de Agadez, no Níger, entre fevereiro e abril.

Deste total, quase 45 mil estavam a deixar o país, enquanto 16 mil eram migrantes a entrar na nação. A agência, que coopera com a ONU, explica que o Níger é país de trânsito para migrantes da África Ocidental que viajam para Argélia e Líbia ou saem desses países.

Pagamento

Nas duas cidades de transição no Níger (Séguédine e Arlit), a maioria dos migrantes são homens, com idades entre 18 e 59 anos. Foram identificadas crianças, mulheres e idosos. Mais de 70% dos que participaram da pesquisa contaram que pagaram mais de US$ 345 pela jornada migratória.

O levantamento mostra que menores de idade representam quase 3% dos migrantes que passam pelo Níger e houve aumento de menores desacompanhados a seguir para a Líbia.

Guineenses

As principais nacionalidades dos migrantes que seguem para a Líbia eram nigerianos (32%), senegaleses (16%), gambianos (11%) e marfinenses (7%). O fluxo de migrantes a retornar da Líbia pelo Níger é na sua maioria formado por nigerianos (85%) e nigerinos, malianos e burquinabes.

Os migrantes que saem da Líbia citam a guerra e a insegurança como motivos para deixar o país, enquanto os que seguem em direção à Líbia e a Argélia explicam que migram por motivos económicos.

Civis da Guiné-Bissau formam 6% entre os que viajam a caminho da Argélia, ao lado de nigerinos, malianos, camaroneses e burquinabes.

Leia e Oiça:

TPI pode investigar crimes cometidos pelo Isil na Líbia

Ação global combate tráfico de pessoas e contrabando de migrantes

OMS: febre-amarela é “importante fator de preocupação” em Angola

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud