protestos

Protestos na Nicarágua fizeram 250 mortos e milhares de feridos desde abril

Informações são de investigadores que monitoraram direitos humanos até quarta-feira; Escritório das Nações Unidas vai continuar ação no país com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Protestos na Nicarágua matam 100 e ferem mais de mil pessoas

As mortes ocorreram desde 18 de abril; somente nesta semana, foram mais 16 perdas de vida; manifestantes se opõem ao governo do presidente Daniel Ortega.

Pelo menos 47 pessoas mortas em protestos na Nicarágua

Maioria eram estudantes, segundo Escritório de Direitos Humanos da ONU; dois policiais e um jornalista também entre mortos; manifestações começaram em reação a reformas ligadas ao sistema de segurança social.

Alto comissário da ONU diz que Irã deve investigar mortes em protestos
BR

Em comunicado, Zeid Al Hussein afirmou que as autoridades do país têm que tomar medidas para evitar mais violência e tumultos; segundo ele, os manifestantes têm o direito de serem ouvidos; mais de 20 pessoas morreram.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -

Alto comissário da ONU diz que Irã deve investigar mortes em protestos
BR

Quénia: Chefe de Direitos Humanos da ONU quer investigação da violência

Alto comissário quer anúncio de cooperação do governo nos esforços para garantir responsabilização; agências de notícias informaram que pelo menos 24 pessoas morreram em atos violentos desde 8 de agosto. 

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -

Quénia: Chefe de Direitos Humanos da ONU quer investigação da violência

Secretário-geral da ONU pede calma a venezuelanos
BR

Em comunicado esta segunda-feira, António Guterres disse que este é um momento crítico para o futuro do país; ele apelou aos venezuelanos que façam todos os esforços possíveis para reduzir as tensões.

Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -

Secretário-geral da ONU pede calma a venezuelanos
BR

Missão na RD Congo apreensiva com prisão de mais de 120 após protestos

Enviado da ONU ao país deplora restrições à reunião pacífica e detenção de pessoas por expressarem pontos de vista políticos; ação atribuída à policia ocorreu após atos de mobilização ocorridos em sete cidades.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -