OMS

Angola e Moçambique com mais mortes por malária entre os lusófonos
BR

Angola e Moçambique com mais mortes por malária entre os lusófonos
BR

Os dois países continuam no top 15 das nações com casos fatais; Brasil já não tem o maior fardo da malária nas Américas; São Tomé e Príncipe e Timor-Leste não notificam pacientes desde 2014.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -
1'44"

OMS faz alerta sobre medicamentos falsos e de baixa qualidade
BR

Iémen recebe apoio para combater surto de difteria que infetou 190

Destaque ONU News - 28 de novembro de 2017

#DestaqueONUNews desta terça-feira é apresentado por Denise Costa e começa com a notícia sobre a oitava ronda de conversas sobre a Síria, que pela primeira vez vai envolver negociações diretas entre o governo e delegações da oposição.

OMS faz alerta sobre medicamentos falsos e de baixa qualidade
BR

Em comunicado, agência da ONU relata situação em vários países em desenvolvimento incluindo Angola e Guiné-Bissau; estimativa é que comércio de falsificados movimente mais de US$ 30 bilhões em nações de baixa e média rendas.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

Áudio -
2'23"

Iémen recebe apoio para combater surto de difteria que infetou 190

Foco do auxílio da OMS é tratar e prevenir a doença altamente infecciosa; Unicef transportou 1,9 milhões de doses de vacinas para imunizar crianças.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -
55"

OMS: Peste está diminuir em Madagáscar mas resposta deve ser sustentada

OMS: Peste está diminuir em Madagáscar mas resposta deve ser sustentada

Mais de 2,3 mil pessoas perderam a vida devido à peste pneumónica; autoridades locais esperam que haja mais infeções de peste bubónica e pneumónica nos próximos quatro meses.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

Áudio -
2'8"

Agências das Nações Unidas apelam por fim imediato do bloqueio no Iêmen
BR

Em comunicado conjunto, OMS, PMA e Unicef afirmaram que mais de 20 milhões de pessoas precisam de ajuda imediata; deste total, 11 milhões são crianças.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -