mutilação genital feminina

Guiné-Bissau: mais de 200 comunidades deixam mutilação genital feminina

Decisão foi tomada em 2017; Escritório da ONU e Fundo das Nações Unidas para a População apoiam estudo sobre situação de práticas nefastas e violência doméstica.