massacre

ONU quer foco na recuperação de yazidis, sete anos após massacre do Isil 
BR

Secretário-geral ressalta atos do grupo terrorista que correspondem a crimes de guerra, contra a humanidade e genocídio no norte do Iraque; OIM defende advocacia contínua ao avaliar exibição de filmagens sobre o tema no terreno.  

Relatores da ONU “ultrajados” com assassinato de indígenas na Colômbia
BR

Em comunicado conjunto, especialistas independentes em direitos humanos condenaram o “massacre cometido contra integrantes do povo Nasa, em Cauca”; eles pediram aos governos que tomem “medidas urgentes” em cooperação com autoridades indígenas.

ONU lembra genocídio contra tutsis que matou mais de 1 milhão de pessoas

Para secretário-geral da ONU, reflexão sobre o massacre deve ultrapassar um país e momento histórico; presidente da Assembleia Geral destaca resiliência dos ruandeses como lição e inspiração.

Srebrenica “maior atrocidade” na Europa desde fundação da ONU
BR

Declaração do secretário-geral marca os 22 anos do massacre ocorrido em 11 de julho de 1995; António Guterres defendeu que para ajudar a prevenir futuras atrocidades, é “preciso olhar honestamente para o passado”.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -

Srebrenica “maior atrocidade” na Europa desde fundação da ONU
BR

ONU condena massacre ao leste da República Democrática do Congo

Enviado especial para os Grandes Lagos menciona a morte de 36 pessoas em Beni, num ataque de autorida das Forças Democráticas Aliadas; Said Djinnit afirma que ação não impedirá determinação de levar segurança à região.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Áudio -

ONU condena massacre ao leste da República Democrática do Congo

Fugitivo ruandês indiciado por genocídio é devolvido ao Ruanda

Ladislas Ntaganzwa, que estava na República Democrática do Congo, foi transferido no domingo; oito indiciados em conexão com o massacre de 1994 ainda estão a ser procurados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Áudio -

Fugitivo ruandês indiciado por genocídio é devolvido ao Ruanda