destruição

Nações Unidas “profundamente alarmadas” com violência no noroeste da Síria

Crianças compõem um terço dos 3 milhões de civis que estão em perigo iminente; população de Idlib dobrou com número de pessoas fugidas de Alepo e Gouta Oriental; cerca de 330 mil civis fugiram de suas casas desde maio.

Após batalha de Mossul, OIM diz que cidade precisa de doadores internacionais

Exército iraquiano e aliados iniciaram ofensiva na região em outubro para libertar área do controlo do grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.*

Áudio -

Após batalha de Mossul, OIM diz que cidade precisa de doadores internacionais

Unesco deplora destruição de mesquita com mais de 800 anos em Mossul
BR

Al Nuri e minarete foram construídos há 845 anos e estavam entre os locais mais históricos do Iraque; destruição foi feita pelo Isil; diretora da agência da ONU fala em piora do sofrimento de uma sociedade já afetada por uma tragédia humanitária.

Áudio -

Unesco deplora destruição de mesquita com mais de 800 anos em Mossul
BR

Imagens mostram mais de 1,1 mil casas destruídas em Mossul
BR

ONU-Habitat confirma danos extensos ocorridos na cidade iraquiana; imagens de satélite mostram que destruição na zona oeste é duas vezes maior do que leste; 300 mil pessoas já abandonaram a região.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

Áudio -

Imagens mostram mais de 1,1 mil casas destruídas em Mossul
BR

Opac investiga alegações de ataque com armas químicas na Síria
BR

Agências de notícias revelam que pelo menos 58 pessoas morreram em Idlib, noroeste do país; Organização para a Proibição de Armas Químicas bastante preocupada com relatos; entidade lembra que este tipo de arma é totalmente proibida.

Áudio -

Opac investiga alegações de ataque com armas químicas na Síria
BR

ONU adota “resolução histórica” para proteger patrimônio cultural em conflitos
BR

Uma das propostas do documento é a criação de uma “rede de locais seguros”; países devem criar inventários nacionais e partilhar dados da herança cultural com agências como Interpol, Unesco e Unesco.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

Áudio -