António Guterres

ONU condena ataques a igrejas e hotéis no Sri Lanka
BR

Segundo agências de notícias, quase 300 pessoas morreram e 450 ficaram feridas; chefe da ONU disse estar chocado com ato ocorrido no domingo de Páscoa, “um dia sagrado para os cristãos de todo o mundo.”

ONU lembra genocídio contra tutsis que matou mais de 1 milhão de pessoas

Para secretário-geral da ONU, reflexão sobre o massacre deve ultrapassar um país e momento histórico; presidente da Assembleia Geral destaca resiliência dos ruandeses como lição e inspiração.

ONU pede “calma e máxima contenção” após retirada do poder do presidente do Sudão

Secretária-geral disse que organização está pronta para apoiar o povo sudanês no momento em que define um caminho a seguir; anúncio oficial da deposição de Omar al-Bashir foi feito esta quinta-feira na Televisão do Sudão.

100 anos de OIT: ONU alerta sobre falta de preparação para o futuro do trabalho

Assembleia Geral marcou centenário da Organização Internacional do Trabalho; secretário-geral aponta período de profunda transformação tecnológica, que exige investimento em educação e uma nova geração de apoio e proteção no mundo.

ESPECIAL: Jovens do Brasil e a inspiração para mudar o mundo
BR

Grupo é composto por embaixadores da Juventude apoiados pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime; fórum em Nova Iorque faz interagir membros do grupo e políticos em prol dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Líbia: “ataques contra civis e infraestrutura podem equivaler a crimes de guerra”
BR

Alerta foi feito pela alta comissária para os direitos humanos, horas após novos ataques na capital Trípoli; secretário-geral reitera pedido de suspensão imediata de operações militares para melhorar situação atual e impedir conflito.

Genocídio contra os tutsi em Ruanda foi há 25 anos

Em 1994, mais de 800 mil tutsis, hutus moderados e outros que se opuseram ao genocídio foram mortos em menos de três meses; em mensagem sobre o dia, Guterres disse que o aniversário é uma oportunidade para homenagear aqueles que foram assassinados. 

Guterres com esperança de que “ainda seja possível evitar confronto sangrento” na Líbia

Secretário-geral visitou o país para evitar confrontos militares; depois de encontros com vários representantes, chefe da ONU afirmou que saía do país “com uma preocupação profunda e um coração pesado.”

Guterres preocupado com “movimento militar” na Líbia
BR

Secretário-geral pede calma e moderação após anunciar encontros com líderes do país no norte de África; chefe da ONU manifestou total empenho em apoiar processo político nacional.

Jornal da ONU - 01 de abril 2019

Áudio -
5'39"