Perspectiva Global Reportagens Humanas

Alta de população de deslocados no Haiti chegou a 60% em um trimestre

Nações Unidas revelaram que o país caribenho iniciou junho com mais de 578 mil deslocados
© Unicef/Herold Joseph
Nações Unidas revelaram que o país caribenho iniciou junho com mais de 578 mil deslocados

Alta de população de deslocados no Haiti chegou a 60% em um trimestre

Paz e segurança

Violência de gangues é a principal causa do movimento de haitianos; influxo de pessoas que fugiram da capital supera 130% em regiões do Grande Sul; comunidade humanitária espera ter presença e operações mais robustas com nova autorização de acesso de auxílio.

 

O Haiti registrou uma alta de 60% de deslocados no último trimestre devido à violência de gangues. As Nações Unidas revelaram que o país caribenho iniciou junho com mais de 578 mil pessoas vivendo nessa situação.

De acordo com o Escritório da ONU de Assistência Humanitária, Ocha, pelo menos 85% dos haitianos vivem abrigados em famílias anfitriãs, enquanto os restantes 15% habitam em acampamentos.

Chegada em massa de pessoas de Porto Príncipe

Dados recolhidos pela Organização Internacional para as Migrações, OIM, revelam que a capital haitiana, Porto Príncipe, teve um aumento de deslocados de 15%. A alta chegou a 130% no Grande Sul por causa do influxo de pessoas da principal cidade do Haiti. 

Ocha destaca que o desafio continua sendo o baixo financiamento disponível para realizar ações de ajuda,
© PMA/Tanya Birkbeck
Ocha destaca que o desafio continua sendo o baixo financiamento disponível para realizar ações de ajuda,

Com a crise impactando a vida de milhões de pessoas, os indicadores chegaram a extremos considerados preocupantes em áreas-chave, incluindo o acesso aos alimentos. Em relatório sobre as perspectivas alimentares até outubro, o Haiti aparece na lista de países e territórios de “maior preocupação devido à escalada da violência por grupos armados".

Pelos parâmetros do Programa Mundial de Alimentos, PMA, e da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, esse nível inclui pontos críticos, em risco ou ainda com populações já em situação de desastre ou expostas à piora de fome para níveis catastróficos requerendo “atenção urgente”. 

Primeira entrega alimentar

Com a reabertura do aeroporto de Porto Príncipe e a retomada gradual das atividades de auxílio, a comunidade humanitária vê chances de reforço de sua presença e operações no Haiti. 

Junho começou com a primeira entrega alimentar de 60 contêineres realizada após uma interrupção em março. O avanço permitirá que sejam mantidas operações essenciais na capital haitiana e noutras áreas do país caribenho.

O Ocha destaca que o desafio continua sendo o baixo financiamento disponível para realizar ações de ajuda, apesar de ter havido um aumento ligeiro nas últimas semanas.