Perspectiva Global Reportagens Humanas

Situação no Sudão se agrava e ONU envia coordenador de ajuda humanitária

Subsecretário-geral de Assistência Humanitária, Martin Griffiths
UN Web TV
Subsecretário-geral de Assistência Humanitária, Martin Griffiths

Situação no Sudão se agrava e ONU envia coordenador de ajuda humanitária

Paz e segurança

Em nota, emitida pelo seu porta-voz, António Guterres disse que organização está “extremamente preocupada” com situação de civis, e que rapidez e escala dos desdobramentos da crise não têm precedentes.

O coordenador de Assistência Humanitária da ONU, Martin Griffiths, está sendo enviado, imediatamente, para o Sudão, a pedido do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Em nota, divulgada pelo porta-voz de Guterres, neste domingo, a ONU informou que a crise humanitária na nação africana está se deteriorando, rapidamente, e que por isso, Griffiths estava sendo despachado para a região.

Impacto a longo prazo

Após o fim de um cessar-fogo de 72 horas, que expirou à meia-noite de domingo, horário do Sudão, a capital do país, Cartum, foi alvo de bombardeios aéreos.

Arredores de Cartum, capital do Sudão
Open Source

Desde 15 de abril, quando eclodiram os combates entre tropas do Exército do Sudão e paramilitares das Forças de Apoio Rápido, RSF, mais de 500 pessoas foram mortas e pelo menos milhares ficaram feridas.

A ONU diz que está “profundamente preocupada” com o impacto a longo prazo sobre as pessoas no Sudão e na região.

Em nota, António Guterres voltou a apelar a todas as partes no conflito para proteger os civis e a infraestrutura do Sudão, permitindo a passagem segura das pessoas que querem fugir da violência, o respeito aos trabalhadores humanitários e a seus bens.

Operações de ajuda humanitária

O Escritório de Assistência Humanitária da ONU, Ocha, que é liderado por Griffiths, disse que a situação humanitária no Sudão está chegando a um ponto de ruptura. 

Bens essenciais à sobrevivências das pessoas estão se tornando escassoz e as famílias começam a ficar sem acesso à água, alimentos e combustíveis, duas semanas após a violência eclodir.

A ONU também quer ainda a garantia de operações de ajuda humanitária, o apoio ao pessoal médico, de transporte e outros serviços.

Ainda nesse domingo, o Mecanismo Trilateral formado por ONU, União Africana e a Autoridade Intergovernamental sobre Desenvolvimento, Igad, pediram a ambos os generais que comandam as partes em conflito que estendam o cessar-fogo em mais 72 horas e retornem ao diálogo.

Numa reunião no Conselho de Segurança sobre o Sudão, na semana retrasada, o secretário-geral da ONU pediu o fim dos combates e o retorno à mesa de negociações.

As Nações Unidas também citaram relatos de violência sexual a mulheres e meninas e a fuga de dezenas de milhares de sudaneses para os países vizinhos incluindo o Chade.