Perspectiva Global Reportagens Humanas

OMS publica definição para diagnóstico de Covid longa em crianças

Menino de 12 anos na sala de aula vazia de uma escola que foi fechada durante a pandemia de Covid-19
© Unicef/Zahara Abdul
Menino de 12 anos na sala de aula vazia de uma escola que foi fechada durante a pandemia de Covid-19

OMS publica definição para diagnóstico de Covid longa em crianças

Saúde

Sintomas relatados com mais frequência em crianças e adolescentes são fadiga, olfato alterado e ansiedade; essas mudanças podem aparecer até três meses após o contágio tanto em crianças como em adultos.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, divulgou uma nova definição de caso clínico para condição pós-Covid-19 ou "Covid longa" em crianças e adolescentes.

A nova definição é baseada nos dados científicos mais recentes e foi desenvolvida por consenso entre especialistas.

Crianças de 5 a 11 anos estão sendo vacinadas contra a Covid-19 no Brasil.
PAHO/Karina Zambrana

Duração

Crianças com a síndrome de Covid longa são mais propensas a ter fadiga, olfato alterado e ansiedade. Esses sinais podem aparecer até três meses após o contágio e persistir por dois meses.

A OMS iniciou o processo de desenvolvimento de uma definição específica para crianças e adolescentes porque a Covid-19 os afeta de maneira diferente dos adultos.

De acordo com a agência da ONU, crianças e adolescentes têm maior probabilidade de apresentar poucos ou nenhum sintoma, ou desenvolver doença leve após serem infectados. Mas os sintomas que eles experimentam no período pós-agudo e seu impacto podem ser diferentes.

Um laboratório de testes da Covid-19 na cidade de Bulawayo, Zimbabué.
OIT/KB Mpofu
Um laboratório de testes da Covid-19 na cidade de Bulawayo, Zimbabué.

Sintomas

A Covid longa em crianças e adolescentes ocorre para aqueles com histórico de infecção pela doença confirmada ou provável, que apresentam sintomas com duração de pelo menos dois meses e que ocorreram inicialmente dentro de três meses após a fase aguda.

As evidências atuais sugerem que os sintomas relatados com mais frequência em crianças e adolescentes com Covid longa são fadiga, olfato alterado e ansiedade. Mas outros sintomas também foram relatados.

Existem sinais como mudanças nos hábitos alimentares, atividade física, comportamento, desempenho acadêmico, interações sociais e no desenvolvimento que afetam a rotina.

Segundo a OMS, os sintomas podem ser novos, após a recuperação inicial de um episódio agudo de Covid-19, ou persistir desde a doença inicial. Eles também podem variar ou voltar com o tempo.

Enfermeira se prepara para administrar uma vacina Covid-19 no norte do Brasil
PAHO/Karina Zambrana
Enfermeira se prepara para administrar uma vacina Covid-19 no norte do Brasil

Sobre a Covid longa

Qualquer pessoa com Covid-19 pode ter a síndrome, independentemente da gravidade da doença, embora seja mais comumente relatada em pessoas com doença grave.

O Institute for Health Metrics and Evaluation, IHME, estimou que, até o final de 2021, 145 milhões de pessoas desenvolveram Covid longa, cerca de 3,7% das pessoas infectadas, com 15,1% destes, 22 milhões, apresentando sintomas persistentes 12 meses após o início da infecção.

Ainda há informações limitadas sobre a condição em crianças e adolescentes e sobre os resultados de médio a longo prazo.

Para a OMS, o uso de uma definição padronizada contribuirá para uma compreensão global de sua prevalência e permitirá estudos de pesquisa mais comparáveis.