OMS diz não ter provas de associação entre vacinas contra Covid19, mRNA e derrames

OMS reitera apoio a pesquisa e ao desenvolvimento de imunizantes prevenir mais transmissões e variantes da doença
BioNTech
OMS reitera apoio a pesquisa e ao desenvolvimento de imunizantes prevenir mais transmissões e variantes da doença

OMS diz não ter provas de associação entre vacinas contra Covid19, mRNA e derrames

Saúde

Agência afirma que benefícios de imunização estão muito acima dos riscos e prossegue com apoio à pesquisa e ao desenvolvimento de novas vacinas incluindo não injetáveis.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, revelou que após avaliar relatórios e sistemas de monitoramento de segurança “não encontrou provas que sustentem o sinal em torno de vacinas de mRNA e derrames”.

A diretora da agência para Imunização, Vacinas e Produtos biológicos, Kate O'Brien, respondeu a preocupações sobre os efeitos colaterais das vacinas de RNA associadas ao aumento do risco.

Transmissões

O’Brien explicou que um “sinal de segurança” surgiu num banco de dados dos Estados Unidos sobre a vacina de reforço da farmacêutica Pfizer. A situação  sustentou preocupações e informações erradas sobre mortes ligadas a infecções pelo vírus.

OMS diz ter informação de um risco de miocardite induzida pela vacina
MPP/OMS/Rodger Bosch
OMS diz ter informação de um risco de miocardite induzida pela vacina

 

O esclarecimento ocorreu uma semana após agências de notícias terem citado dados preliminares da Autoridade Americana para Controle de Alimentos e Fármacos, FDA na sigla em inglês, e do Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Os relatos indicavam que um sistema de monitoramento de segurança teria considerado um possível vínculo entre a vacina  a um tipo de derrame cerebral em idosos.

Grupos altamente prioritários

A OMS declarou continuar a apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de novas vacinas, incluindo não injetáveis, para prevenir mais transmissões e variantes da doença.

O’Brien disse que os imunizantes, atualmente disponíveis no mercado, são altamente eficazes na prevenção de doença grave e morte, mas menos ativos em relação à prevenção de infecções e transmissão para outras pessoas.

Especialista aponta a importância de todos receberem as doses recomendadas
MPP/OMS/Rodger Bosch
Especialista aponta a importância de todos receberem as doses recomendadas

Como recomendação, a especialista apontou a importância de todos receberem as doses recomendadas. Em especial, grupos altamente prioritários: idosos com mais de 60 anos, grávidas e profissionais de saúde.

Miocardite e vacina?

A OMS diz ter informação de um risco de miocardite induzida pela vacina. Essa inflamação do músculo cardíaco foi um “efeito colateral altamente raro das vacinas de mRNA”, que foi tipicamente leve e teve resposta ao tratamento”.

De acordo com a especialista da OMS, esta é uma forma muito menos grave de miocardite em comparação com as não associadas às vacinas.

Kate O'Brien ressaltou que a própria doença de Covid-19 foi associada a um risco de problemas de saúde cardíaca, incluindo derrames, embolia pulmonar e ataques cardíacos.

A posição aconselhada pela OMS prevalece, de que, em grande parte, os benefícios das vacinas contrabalançam largamente os riscos.