ONU News prepara especial para debater violência de gênero na política

ONU News prepara especial que reflete sobre mulheres na política
UN Women/Johis Alarcón
ONU News prepara especial que reflete sobre mulheres na política

ONU News prepara especial para debater violência de gênero na política

Mulheres

Neste Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, a ONU News anuncia um podcast com mulheres e políticas de várias partes do globo incluindo a ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff, a ex-líder da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa, e a ex-presidente da Cedaw, Sílvia Pimentel.

As Nações Unidas marcam neste 25 de novembro o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. Este ano, o tema é “Ativismo para acabar com a Violência contra Mulheres e Meninas”.

A data coincide com o início da campanha de 16 Dias de Ativismo para o Fim da Violência de Gênero, que vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff
UN Photo/Amanda Voisard
Ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

Especial debate violência de gênero na política

Para marcar a celebração, a ONU News preparou um especial que reflete sobre mulheres na política. A equipe conversou com mulheres consideradas referência no setor pelos desafios enfrentados no dia a dia do cenário político.

Participam a ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff, a ativista e jurista Silvia Pimentel, que ajudou a redigir a Carta das Mulheres para a Constituinte de 1988, e a ex-presidente da Assembleia Geral da ONU e ex-ministra das Relações Exteriores do Equador, María Fernanda Espinosa.

Elas trouxeram elementos fundamentais para entender por que a presença feminina em cargos de poder causa cenas de violência contra algumas figuras eleitas democraticamente para representar a população.

Tweet URL

Mulheres em cargos eletivos

Globalmente, o número de mulheres ocupando cargos executivos ainda é bem pequeno. Segundo a União Interparlamentar, globalmente, apenas 5,9% dos chefes de Estado eram mulheres em 2021. Elas ainda somam apenas 6,7% de primeiros-ministros.

Em 2010, Dilma Rousseff foi a primeira mulher eleita a presidência da república no Brasil. O mandato da ex-presidente terminou após um processo de impeachment em 2016, sob a acusação de crimes de responsabilidade em relação a práticas orçamentárias.

Durante a votação no Congresso Nacional, diversas manifestações contra a chefe de Estado marcaram o processo.

“Então a resposta para vocês é sim, eu fui objeto sempre de uma grande, de uma grande manifestação de preconceito.”

Na análise da jurista Silvia Pimentel, a falta de representatividade no Brasil reflete a cultura do “patriarcado”, que permeia não só o resultado das eleições, mas também as atitudes internas de partidos políticos. Ela convocou mulheres e feministas a serem agentes de mudança.

“O que queremos é que nós, mulheres, cada um a partir do seu local, do seu espaço político, da sua casa, do seu trabalho, da escola, que trabalhe do seu escritório, que vocês possam levantar o tema da importância da nossa participação política.”

Ex-presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa
Twitter
Ex-presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa

Rede de mulheres

Já a ex-líder da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa, destacou os espaços de acolhimento às mulheres que estão no cenário político. Espinosa ocupou cargos no governo equatoriano e é uma das quatro mulheres que se sentou na chefia da Assembleia Geral em 77 anos.

Atualmente, ela lidera uma rede global de mulheres que busca incentivar o aumento da participação feminina na política e diplomacia.

“Muitas têm medo porque viram a agressão que estamos sujeitas em nossos cargos. Precisamos injetar otimismo nas novas geração e o desejo de mudar o mundo.”

Assim como María Fernanda Espinosa, as entrevistadas contam como buscaram proteção e resiliência para seguirem em suas lutas e avaliam formas de garantir que a política seja um ambiente que respeite a representatividade feminina.

Para conferir mais sobre as análises e opiniões, acompanhe os episódios que serão disponibilizados na página da ONU News a partir do dia 10 de dezembro, ao final dos 16 dias de ativismo.