Passar para o conteúdo principal

ONU premia Brasil, Egito e Lesoto por investimentos sustentáveis na agricultura

Uma romã pendurada em uma árvore em Hortolândia, Brasil
Unsplash/Feliphe Schiarolli
Uma romã pendurada em uma árvore em Hortolândia, Brasil

ONU premia Brasil, Egito e Lesoto por investimentos sustentáveis na agricultura

Desenvolvimento econômico

Pelo 20º ano, prêmio da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, celebra melhores iniciativas por melhores práticas no setor; Apex-Brasil recebeu prêmio por programa projetado para atrair empresas internacionais de tecnologia.

A Unctad premiou agências de promoção de investimentos do Brasil, Egito e Lesoto pela excelência na promoção de programas sustentáveis ​​na agricultura, contribuindo para a segurança alimentar e o desenvolvimento.

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, Apex-Brasil, recebeu o prêmio por seu projeto ScaleUp, criado para atrair empresas internacionais de tecnologia, fornecendo serviços de negócios e oportunidades financeiras.

Um agricultor usa técnicas de conservação para cultivar milho no Lesoto
FAO/Elisabeth Tsehlo
Um agricultor usa técnicas de conservação para cultivar milho no Lesoto

Uso de tecnologias no setor agrícola

O programa realizado em parceria com a Israel Trade and Investment, a Japan External Trade Organization e a Enterprise Singapore facilitou o estabelecimento de 15 empresas no Brasil.

Entre elas, startups de agrotecnologia que ajudam com ferramentas e sistemas tecnológicos inovadores para otimizar a produção agrícola, detectar rapidamente pragas e doenças e contribuir para uma agricultura resiliente ao clima.

Outros premiados

A Autoridade Geral de Investimentos e Zonas Francas do Egito recebeu o prêmio por facilitar a Canal Sugar Company, uma joint venture entre investidores da indústria açucareira dos Emirados Árabes Unidos e do Egito.

O projeto está alinhado com a visão de desenvolvimento sustentável do Egito até 2030 para alcançar a segurança alimentar enquanto se adapta às mudanças climáticas usando sistemas agrícolas inteligentes.

O projeto que deve gerar 50 mil empregos visa tornar o Egito autossuficiente na produção de açúcar. Inclui uma academia de treinamento para agricultores locais para ajudá-los a aumentar seus rendimentos e minimizar o uso de água e fertilizantes.

A Lesotho National Development Corporation ganhou o prêmio por sua iniciativa de lançar o Maluti Fresh Market Produce, uma instalação completa de marketing e manuseio de produtos.

A nova plataforma comercial visa capacitar os agricultores locais registrados, que são predominantemente mulheres, facilitando seu acesso aos mercados e financiamento e, assim, dando apoio na transição da subsistência para a agricultura comercial.

O mercado promoveu o investimento de pequenos agricultores na produção de frutas e legumes locais, reduzindo a dependência de produtos importados e proporcionando melhor nutrição às escolas do Lesoto, que agora têm um local centralizado para aquisição.

Navio sai do porto de Odesa após a autorização do Centro de Coordenação Conjunta, estabelecido no âmbito da Iniciativa de Grãos do Mar Negro
Ocha/Saviano Abreu
Navio sai do porto de Odesa após a autorização do Centro de Coordenação Conjunta, estabelecido no âmbito da Iniciativa de Grãos do Mar Negro

Crise de alimentação

Os efeitos da guerra na Ucrânia, as interrupções na cadeia de suprimentos relacionadas ao Covid-19, as inundações e secas arrasadoras causadas pelas mudanças climáticas desencadearam uma crise alimentar global.

Para a Unctad, a Iniciativa de Grãos do Mar Negro, apoiada pela ONU, trouxe algum alívio, mas são necessárias soluções de longo prazo para lidar com a escassez global, especialmente nos países em desenvolvimento.

A secretária-geral da agência, Rebeca Grynspan, ressaltou o desafio que o mundo enfrenta. Ela disse que “a atual crise alimentar pode se transformar rapidamente em uma catástrofe alimentar de proporções globais em 2023”.

Necessidade de mais investimentos para aumentar a segurança alimentar

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável, ODS 2, sobre a criação de um mundo sem fome até 2030, exige esforços maciços para aumentar a produção agrícola sustentável. Segundo o Unctad, governos de todo o mundo estão buscando investimentos e tecnologias para aumentar a segurança alimentar.

Entretanto, de acordo com o Relatório de Investimento Mundial 2022 da agência, os projetos de investimento na agricultura nos países em desenvolvimento ainda não se recuperaram da pandemia e a atividade de investimento continua pequena.

Em 2021, eles representavam apenas 2% dos projetos de investimento em setores relevantes para os ODS nos países em desenvolvimento. Diante desse cenário, as agências de promoção de investimentos estão visando projetos que tragam inovação, sustentabilidade e crescimento no agronegócio.