OMS suspende estratégia de duas doses por falta de vacinas contra cólera

Estratégia temporária de dose única visa responder a uma realidade de surtos sem precedentes
© Unicef/Saleh Bahless
Estratégia temporária de dose única visa responder a uma realidade de surtos sem precedentes

OMS suspende estratégia de duas doses por falta de vacinas contra cólera

Saúde

Decisão segue-se ao aumento de casos em todo o mundo;  pelo menos 29 países reportaram surtos este ano; medida pretende reservar estoque de vacinas para onde surjam necessidades.

A escassez de vacinas contra cólera levou a Organização Mundial da Saúde, OMS, a adotar uma estratégia temporária de dose única, das duas doses habituais aplicadas em campanhas de resposta a surtos.

Nesta quarta-feira, a agência informou que, em curto prazo, essa medida visa responder a uma realidade sem precedentes. Desde janeiro, 29 países relataram casos de cólera, incluindo Haiti, Maláui e Síria onde ocorrem grandes surtos.

Riscos de cólera

Nos cinco anos anteriores, a OMS recebeu notificações de 20 países. A agência defende que a tendência global é de surgimento de mais surtos, de forma mais generalizada e mais grave.

Entre fatores que limitam o acesso à água potável e aumentam o risco de surtos de cólera estão inundações, secas, conflitos, movimentos populacionais e outros.

Suspensão temporária permitirá que as unidades restantes sejam redirecionadas para eventuais lugares com necessidades
© Unicef/Jonathan Crickx
Suspensão temporária permitirá que as unidades restantes sejam redirecionadas para eventuais lugares com necessidades

 

A agência das Nações Unidas disse que a estratégia de dose única provou ser eficaz para responder a surtos, embora sejam ainda limitados os dados concretos sobre a duração exata da proteção, e pareça ser muito menor em crianças.

A imunidade contra a infecção dura três anos num regime de duas doses, em que a última seja administrada no intervalo de seis meses após a primeira.

Situação global

O comunicado cita benefícios em fornecer uma dose, se comparada à falta de imunização. Com a interrupção temporária da estratégia padrão para redução e encurtamento da imunidade, a decisão permitirá que mais pessoas sejam vacinadas e tenham proteção no curto prazo em face das previsões de piora da situação global da cólera.

O Grupo de Coordenação Internacional, ICG, destaca que a atual oferta de vacinas contra a cólera é extremamente limitada.

Imagem
Médico trata paciente de cólera em Port au Prince, no Haiti. Foto: ONU/Unicef/Marco Dormino

 

Para que os imunizantes fossem canalizados a emergências estava prevista a produção de 36 milhões de doses em 2022. O total previa o despacho de 24 milhões para campanhas, sendo que 17% para as preventivas, 83% para as reativas e mais 8 milhões de unidades para a segunda dose emergencial em quatro países.

A suspensão temporária da estratégia de duas doses permitirá que as unidades restantes sejam redirecionadas para eventuais lugares com necessidades. A longo prazo, a OMS recomenda ações urgentes para aumentar a produção global de vacinas.

Camarões, Chade e Nigéria

Em ocorrência separada, as autoridades de Camarões anunciaram uma nova onda de surto de cólera causada por inundações em sua fronteira norte com o Chade e a Nigéria.

A OMS destaca que pelo menos 17 pessoas já perderam a vida e receia-se que muitas outras tenham morrido em vilarejos de difícil acesso em uma semana.

As autoridades nacionais convocaram uma reunião de emergência com representantes  do governo e agências de socorro. O encontro decidiu o envio de trabalhadores humanitários para os hospitais superlotados, especialmente na fronteira com a Nigéria.