Moçambique na lista de países apoiados pela ONU por crises menos financiadas
BR

16 setembro 2022

Fundo Central de Resposta a Emergências liberou US$ 100 milhões para apoio a vítimas de conflitos, desastres naturais e outras emergências em diferentes regiões; lista inclui nações da África, Ásia, Américas e Oriente Médio.

Moçambique é um dos 11 países que tiveram planos de resposta reforçados pelas Nações Unidas. A organização desembolsou US$ 5 milhões para o país lusófono, do total de US$ 100 milhões colocados ao dispor para situações com baixo apoio global.

De acordo com o anúncio, em Nova Iorque, Moçambique conseguiu menos da metade dos US$ 388 milhões que precisava para avançar com o plano de resposta humanitária definido para 2022.

Desembolso

Depois da tempestade tropical Gombe, que este ano abalou o país, somente 18% dos US$ 48 milhões foram mobilizados para operações de socorro.

O total desembolsado pelo Fundo Central de Resposta a Emergências, Cerf, vai para nações da África, da Ásia, das Américas e do Médio Oriente.

Emergência em Quissanga, Cabo Delgado, Moçambique
PMA Mozambique
Emergência em Quissanga, Cabo Delgado, Moçambique

 

Os beneficiários vivem em áreas de conflitos, emergências climáticas, fome e deslocamento forçado, que totalizam 204 milhões em todo o mundo.

Num ano em que se observa a “maior diferença de sempre” entre fundos humanitários pedidos e que deram entrada em crises, a ONU diz precisar de US$ 49,5 bilhões para operações de ajuda. Cerca de US$ 17,6 bilhões já chegaram, segundo a organização.

Atenção internacional

A situação deixa milhões de famílias sem apoio essencial, em particular em crises com pouca atenção internacional.

O Cerf atribui os fundos das Nações Unidas para cobrir essa lacuna e resolver os desequilíbrios de financiamento.

Distribuíção alimentar na cidade da Beira após o ciclone Idai
PMA/Rein Skullerud
Distribuíção alimentar na cidade da Beira após o ciclone Idai

 

Moçambique está em 10º lugar, na lista de receptora liderada pelo Iêmen, com US$ 20 milhões. A seguir estão o Sudão do Sul, com US$ 14 milhões, e Mianmar com US$ 10 milhões. Os integrantes incluem Nigéria, Bangladesh, Uganda, Venezuela, Camarões e, por último, a Argélia.

Pela primeira vez, os fundos para emergências subfinanciadas do Cerf bateu US$ 250 milhões, de acordo com o subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários da ONU.

Conflitos, secas e inundações

Martin Griffiths apontou dificuldades geradas por conflitos, secas, inundações e outras emergências que aumentam as necessidades nessas crises, superando os recursos ao dispor.

Para este ano, o Ocha precisa de mais US$ 502 milhões para dar atenção a crises subfinanciadas e alcançar mais pessoas.

Desde a criação do Cerf pela Assembleia Geral, em 2005, mais de 8 bilhões de pessoas receberam apoio. As contribuições vieram de 130 Estados-membros, observadores e doadores particulares.

Deslizamentos de terra são temidos no bairro de Mahate, em Pemba, depois que o ciclone Kenneth varreu Moçambique.
Ocha/Saviano Abreu
Deslizamentos de terra são temidos no bairro de Mahate, em Pemba, depois que o ciclone Kenneth varreu Moçambique.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud