Primeira conferência presencial sobre HIV/Aids desde a pandemia acolhe milhares BR

Marcha comunitária organizada no centro de Londres com o tema 'respeite meu HIV' para que se tenha em conta a diversidade de pessoas vivendo com HIV
© Unsplash/Ehimetalor Akhere Unuabona
Marcha comunitária organizada no centro de Londres com o tema 'respeite meu HIV' para que se tenha em conta a diversidade de pessoas vivendo com HIV

Primeira conferência presencial sobre HIV/Aids desde a pandemia acolhe milhares

Saúde

Canadá realiza evento com debates sobre políticas, investimentos e inovação científica; estudo sobre eficácia do medicamento cabotegravir, de longa ação, como alternativa de prevenção do HIV; sessões até 2 de agosto abordam cuidado e tratamento da varíola soropositivos.

A cidade de Montreal, no Canadá, abre as portas, nesta sexta-feira, à Aids 2022, a 24ª Conferência Internacional sobre o tema.

Sob o lema “re-engajar e seguir a ciência”, a maior conferência sobre HIV/Aids ocorre, pela primeira vez, de forma presencial retomando desde 2020.

Aliança

O evento, que também tem um elemento virtual, aborda políticas, recursos e inovação científica nos campos biomédico, sociocomportamental e de implementação.

Pesquisas devem dominar os debates assim como o uso de antirretrovirais
Andrew Loxley, courtesia da IPM
Pesquisas devem dominar os debates assim como o uso de antirretrovirais

 

A área de pesquisas deve dominar os debates assim como o uso de antirretrovirais por pessoas antes e após um possível contato com o vírus.

Momentos antes do evento, a Organização Mundial da Saúde, OMS, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, Unaids, e a Agência de Saúde Global, Unitaid, anunciaram uma aliança global para acelerar o acesso ao medicamento de longa duração cabotegravir antes da exposição ao vírus, método conhecido como PrEP.

Pesquisa

Num ano, os ensaios que envolveram a rede de Pesquisas de Prevenção resultaram em “reduções consistentes na incidência” do vírus.

Sinead Delany-Moretlwe é diretor de pesquisa e professor na Universidade de Witwatersrand em Johanesburgo, África do Sul. Ele disse que o desfecho do estudo com o cabotegravir de longa ação é “encorajador”.

Evento também aborda  prevenção, tratamento e questões políticas ligadas à varíola dos macacos
© Harun Tulunay
Evento também aborda prevenção, tratamento e questões políticas ligadas à varíola dos macacos

 

As análises, entre novembro de 2020 e 2021, confirmaram “um alto nível de proteção contra a infecção” em participantes de sexo feminino.

O ensaio HPTN 084, utilizado na pesquisa, revelou uma ação prolongada no grupo, em comparação com o tenofovir/emtricitabina oral atualmente tomado para a prevenção.

Expectativas

Um dos pesquisadores, Myron Cohen, do Instituto de Saúde Global da Universidade da Carolina do Norte, disse que é essencial capacitar as mulheres com opções de PrEP que sejam “seguras e eficazes para reduzir o HIV como uma ameaça à saúde global”.

Outra expectativa para a Conferência Internacional Aids22 é que seja divulgada uma série de estudos sobre a redução do risco de infecções sexualmente transmissíveis pela doxiciclina.  A hipótese é que o antibiótico possa reduzir, de forma significativa, o risco de contágio se for tomado após as relações sexuais.

 

Temas da conferência incluem cuidados, serviços de saúde mental, resposta a minorias como indígenas e ética
Foto: Aliança da Saúde Pública / Ucrânia
Temas da conferência incluem cuidados, serviços de saúde mental, resposta a minorias como indígenas e ética

 

O evento também aborda a prevenção, o tratamento e as questões políticas ligadas à varíola dos macacos, incluindo as implicações para soropositivos.

Possível cura

A conferência trará novas revelações sobre o impacto do uso persistente de opioides injetáveis entre pessoas vivendo com HIV.

O debate incluirá novas pesquisas sobre requisitos de idade consentida para se realizar testes do vírus e leis de criminalização e impacto sobre a prevenção e o tratamento. 

Os estudos sobre o vírus, que causa a Aids, incluem pesquisas sobre coinfecções, como tuberculose e hepatite, e reinfecção por hepatite C.

Os temas da conferência incluem ainda o uso de serviços de saúde mental, a resposta a minorias como indígenas, a ética, a vigilância, a assistência médica e o caminho para uma possível cura e novas vacinas.