Não se pode alcançar fome zero sem considerar o mar, diz comissária africana  
BR

31 julho 2022

Entidade regional quer aumentar participação ativa de mulheres e jovens no setor pesqueiro; bloco investe na capacitação de novas gerações para abertura de empresas; interesse também envolve busca de tecnologias para maximizar atuação na economia dos oceanos.  

As mulheres compõem 23% dos 12 milhões de pessoas envolvidas na pesca na África.  

A União Africana busca estimular a participação mais ativa do grupo, incluindo as mais jovens, para combater a insegurança alimentar. 

Empresas  

As declarações foram feitas à ONU News, em Lisboa, pela comissária do bloco para a Agricultura e Economia Rural, Josefa Correia. 

Pescas contribuem com  cerca de 1,26% para o Produto Interno Bruto dos países africanos
FAO
Pescas contribuem com cerca de 1,26% para o Produto Interno Bruto dos países africanos

“Estamos a trabalhar com as mulheres e a ver quais são as necessidades para elaborar um plano de ação e reforçar a capacidade das mulheres. Os jovens também. Estamos a olhar mais para as jovens raparigas. Temos uma iniciativa do âmbito do negócio. Inclui o engajamento da juventude inclusiva: as meninas e os rapazes para terem oportunidade de criar pequenas e médias empresas nesta área das pescas.” 

Os planos fazem parte do esforço regional para desenvolver a economia do oceano sustentável, considerada a nova fronteira econômica global.  

Josefa Correia frisou que há grande potencial de explorar os recursos no meio marítimo com o apoio de técnicas mais avançadas. A sustentabilidade nesta área estará também em debate na 27ª sessão da Conferência da ONU sobre o Clima, COP27, a ser realizada em setembro no balneário de Sharm El-Sheikh, no Egito. 

“Nós temos muito pouca tecnologia marítima. Participei num evento paralelo (em Lisboa) e eu apelei aos nossos parceiros para também partilharem conosco a tecnologia e formarem muitos dos nossos jovens nesta área, mesmo da tecnologia e inovação, para que nós possamos adaptar essa tecnologia para as realidades dos nossos países. Fome Zero passa pelo mar.” 

Participação 

Na Agenda 2063 para acelerar o crescimento econômico regional nas próximas quatro décadas, a economia azul é um dos sete pilares pelo vasto potencial marítimo africano. 

O setor pesqueiro garante a segurança alimentar e nutricional para cerca de 200 milhões de habitantes. 

A contribuição das pescas tem uma participação de cerca de 1,26% do Produto Interno Bruto, PIB, dos países africanos. 

Pescador no Quênia.
Foto: © UNDP/Amunga Eshuchi
Pescador no Quênia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud