Dia Internacional para Conservação dos Manguezais destaca impacto do clima BR

O secretário-geral da ONU, António Guterres, planta uma árvore de mangue no local de reabilitação em Weg Naar Zee, no Suriname.
UN Photo/Evan Schneider
O secretário-geral da ONU, António Guterres, planta uma árvore de mangue no local de reabilitação em Weg Naar Zee, no Suriname.

Dia Internacional para Conservação dos Manguezais destaca impacto do clima

Clima e Meio Ambiente

Unesco celebra data em 26 de julho com projetos para proteger manguezais na América Latina; agência ressalta que mais de 3/4 estão em perigo e sua extinção traria impactos sobre todo o ecossistema

Neste 26 de julho, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, comemora o Dia Internacional para a Conservação do Ecossistema de Manguezais.

Na data, a agência da ONU anuncia um novo projeto de restauração de manguezais em sete países da América Latina: Colômbia, Cuba, Equador, El Salvador, México, Panamá e Peru. 

Preservação dos manguezais

Segundo a Unesco, o projeto não só trará oportunidades econômicas para as comunidades locais, mas também a troca de conhecimento entre as populações locais e indígenas e a comunidade científica.

A diretora-geral da agência, Audrey Azoulay, afirma que além da proteção e restauração dos ecossistemas, é necessária uma conscientização global. Para ela, isso requer educar e alertar o público, não apenas nas escolas.

Segundo Azoulay, o objetivo do Dia Internacional para a Conservação do Ecossistema de Manguezais é que todos se conscientizem do valor, da beleza e da vulnerabilidade dos ecossistemas de mangue e se comprometam com sua proteção.

Habitat complexo

Ela lembra que a humanidade depende de habitats complexos como os mangues para retardar a erosão costeira e proteger as fontes de alimentos. 

E que “das raízes entrelaçadas às pontas dos galhos”, muitas espécies se alimentam e se reproduzem nos manguezais, formando um dos ecossistemas mais prósperos do mundo.

A Unesco alerta para o risco de mais de três quartos dos manguezais em perigo, o que ameaça todos os equilíbrios naturais que dependem dele. 

A agência diz que é preciso agir para protegê-los, juntamente com outros valiosos ecossistemas de carbono azul, por meio de seus Geoparques, Patrimônios Mundiais e Reservas da Biosfera.

Audrey Azoulay afirma que, diante da emergência climática, o tempo está se esgotando para proteger os manguezais e mais deve ser feito, já que o ecossistema é um reservatório de carbono.

Raros

A Unesco ressalta que os manguezais são ecossistemas raros, espetaculares e férteis na fronteira entre terra e mar. 

Eles contribuem para o bem-estar, segurança alimentar e proteção das comunidades costeiras em todo o mundo, além de sustentar uma rica biodiversidade e fornecer um valioso habitat de berçário para peixes e crustáceos. 

Os manguezais também atuam como uma forma natural de defesa costeira contra tempestades, tsunamis, elevação do nível do mar e erosão. Seus solos são reservatórios de carbono altamente eficazes, sequestrando grandes quantidades do gás de efeito estufa.

No entanto, os manguezais estão desaparecendo de três a cinco vezes mais rapidamente do que as perdas globais de florestas, com sérios impactos ecológicos e socioeconômicos. 

As estimativas atuais indicam que a cobertura de mangue foi reduzida pela metade nos últimos 40 anos.