Guterres diz que Caribe é “marco zero” da emergência global do clima
BR

3 julho 2022

Secretário-geral da ONU encerrou visita de dois dias ao Suriname com um discurso na 43ª. Reunião da Comunidade do Caribe, Caricom, em Paramaribo; antes do evento, António Guterres sobrevoou a Reserva Natural Central do Suriname, na Amazônia, que é Patrimônio Mundial da Unesco.

O líder das Nações Unidas falou a chefes de governo dos países-membros da Comunidade do Caribe, Caricom, neste domingo, no Suriname. Segundo ele, o Caribe é o “marco zero” da emergência global do clima.

Com o evento, António Guterres encerrou dois dias de visita ao país sul-americano, coberto em 93% de seu território por florestas, e segundo o secretário-geral, um dos mais verdes do mundo. 

Produção de madeira e mineração para incentivar economia

Logo de manhã, ele sobrevoou a Reserva Natural Central do Suriname, que é Patrimônio Mundial da Unesco. Guterres descreveu a beleza do local e as ameaças que a floresta amazônica experimenta com a mudança climática e atividades extrativistas.

A reserva é uma área imensa que cobre 11% do território do Suriname com uma série de montanhas e enorme quantidade de biodiversidade, e muito ainda a ser descoberto.

O local é atravessado pelo rio Coppename que flui ao lado de outros rios como Lucie, Saramacca e Suriname. Mas o local também está sob risco com ações de empresas de mineração e madeira, ambas para incentivar a economia surinamesa.

Mesmo estando localizado na América do Sul, o Suriname é considerado uma nação caribenha por causa da sua história, cultura e os desafios semelhantes aos de pequenos Estados insulares.

Guterres sobrevoou floresta durante visita ao Suriname
UN News/Laura Quiñones
Guterres sobrevoou floresta durante visita ao Suriname

Diversidade, liderança e ecossistemas

Ao falar aos líderes da Caricom, Guterres ressaltou a diversidade e a liderança da região em ação climática. Ele também citou a pandemia e os desafios financeiros globais.

No sábado, o chefe das Nações Unidas visitou um projeto de conservação de ecossistemas de manguezais, afetados pela subida do nível do mar e pela erosão costeira. 

Guterres afirma, que este ano, o encontro de cúpula da Caricom ocorre num momento de perigo máximo para as pessoas e o planeta.  

A pandemia causou um efeito arrasador sobre o sistema de saúde e de turismo, assim como crescimento econômico e de investimentos estrangeiros, que agora estão agravados por causa da guerra na Ucrânia.

G20 produz 80% das emissões globais de dióxido de carbono

O secretário-geral propôs aos líderes da Caricom soluções ousadas para combater esses desafios incluindo combinar a ação climática à escala da urgência da crise. 

Para ele, os países caribenhos estão mostrando o caminho a seguir para reduzir o aquecimento global a 1.5C. O chefe da ONU citou o empenho de comunidades indígenas nessas ações.

Guterres diz que primeiro: é preciso mais ambição na ação climática por todas as partes e especialmente do G20, o grupo das 20 maiores economias do mundo que inclui o Brasil. Juntos, eles produzem 80% das emissões de dióxido de carbono.

Chefe da ONU confere Reserva Natural Suriname Central em visita ao Suriname
UN News/Evan Schneider
Chefe da ONU confere Reserva Natural Suriname Central em visita ao Suriname

Ele afirmou que a guerra na Ucrânia não pode servir de razão para que o mundo desvie a atenção da marca de 1.5C. Com os compromissos atuais, as emissões ainda devem subir 14% até 2030.

Bancarrota moral do sistema financeiro

Guterres está convencido de que os países mais ricos têm que liderar a revolução de energia renovável, e cumprir a promessa de entregar os US$ 100 bilhões por ano para mitigação.
  
Em segundo lugar: ele citou uma reforma da bancarrota moral do sistema financeiro global que precisa de uma recuperação. Para o secretário-geral é preciso haver um alívio imediato da dívida externa dos países em desenvolvimento.

Segundo ele, as métricas antigas não funcionaram e é hora de desafiá-las criando um “índice multidimensional de vulnerabilidade” que determine o acesso a apoio financeiro.

Em terceiro lugar, ele pede que o combate contra a pandemia continue. 

Guterres acredita que os governos, organizações e empresas farmacêuticas devem cooperar para produzir testes, tratamentos e vacinas em seus países.

Guterres visita a localidade de Pierre Kondre - Redi Doti, no Suriname
UN Photo/Evan Schneider
Guterres visita a localidade de Pierre Kondre - Redi Doti, no Suriname

Ele encerrou o discurso reforçando o apelo da ONU aos países caribenhos em todas essas ações.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud