Brasil assume presidência do Conselho de Segurança da ONU em julho
BR

1 julho 2022

Missão do país nas Nações Unidas deve priorizar comunicação em operações de paz com população local, crianças e conflitos armados e igualdade de gênero; embaixador Ronaldo Costa Filho diz à ONU News que dará atenção ao “equilíbrio entre transparência e eficiência” do órgão.

Neste mês de julho, o Brasil ocupa a presidência do Conselho de Segurança da ONU. Esta é a 11ª passagem do país pelo órgão desde a criação da organização. O Brasil assumiu um assento rotativo, em janeiro, com um mandato para o biênio 2022-2023.

O embaixador do Brasil na ONU, Ronaldo Costa Filho, falou à ONU News sobre as expectativas para a presidência brasileira.

Paz e segurança

“Um dos pontos que priorizaremos em nossa presidência é a comunicação estratégica em operações de manutenção da paz, com o intuito de melhor engajar-se com a população local em cada missão da ONU, sempre com respeito aos direitos humanos e combatendo a violência, inclusive sexual”

O representante do Brasil nas Nações Unidas também contou que o país deverá organizar um debate temático sobre menores em conflito.

“Também promoveremos um debate sobre crianças e conflitos armados, dedicado à análise do mais recente relatório anual do Secretário-Geral sobre o tema, abordando tópicos como o recrutamento de crianças-soldado e o ataque à escola e a educação no mundo.”

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, discursa na reunião do Conselho de Segurança sobre manutenção da paz e segurança da Ucrânia.
UN Photo/Rick Bajornas
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, discursa na reunião do Conselho de Segurança sobre manutenção da paz e segurança da Ucrânia.

Eficiência do Conselho de Segurança

A situação na Ucrânia tem reunido os membros do Conselho de Segurança com frequência para debater os desdobramentos do conflito.

Em abril, o representante brasileiro na ONU avaliou o órgão como “inoperante” para alcançar soluções negociadas e acabar com a violência.

Na ocasião, Costa Filho adicionou que o Brasil sente “angústia e frustração” pela situação, especialmente pelo sofrimento humano. Assim, ao assumir a presidência em julho, o embaixador afirmou que dará atenção ao equilíbrio entre transparência e eficiência. E na presidência, o diplomata pretende buscar soluções.

“Uma das funções mais delicadas da presidência, a qual daremos a maior atenção, é cuidar do delicado equilíbrio entre transparência e eficiência. Por um lado, é necessário prestar contas para o público em geral e para os países não representados no Conselho. Por outro, a discrição muitas vezes é necessária para viabilizar um diálogo franco, voltado à busca de soluções, e não a relações públicas”.

Reforçando o que disse à ONU News quando assumiu a chefia da Missão da ONU, o Brasil afirma estar comprometido com a agenda da igualdade de gênero.

Segundo o embaixador, o país deve incluir representantes mulheres nas discussões “sempre que possível”.

ONU abrirá portas em julho para abrigar exposição sobre brasileiro Rui Barbosa
Visit Rio
ONU abrirá portas em julho para abrigar exposição sobre brasileiro Rui Barbosa

Bicentenário da Independência

Com a comemoração do bicentenário da independência do Brasil celebrada em 7 de setembro, Ronaldo Costa Filho espera que a presidência também contribua para “mostrar um pouco mais do Brasil e da cultura brasileira para o mundo”

Este mês, Missão promove uma exposição sobre Rui Barbosa na sede da ONU em Nova Iorque.

O embaixador ainda citou que o Brasil pode colaborar para “a busca comum entre membros do Conselho pela paz e a segurança”, afirmando que o país possui uma “posição singular” por suas dimensões continentais e seus mais de 150 anos de convivência pacífica com seus vizinhos.

Agenda

Ao assumir a presidência, a Missão do Brasil falou a jornalistas nesta sexta-feira. O embaixador Ronaldo Costa Filho afirmou que o país deve buscar acordo para um posicionamento presidencial e para a renovação de missões de paz.

Na próxima semana, como acontece a cada troca de presidência, o representante brasileiro terá um encontro com o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Sobre a Ucrânia, Costa Filho afirmou que deve convocar uma reunião para debater a questão de segurança alimentar, já que os desdobramentos do conflito estão causando a escassez de alimentos em todo o mundo.

Ao ser questionado sobre a presença do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, na próxima Assembleia Geral da ONU, Costa Filho afirmou não ter confirmação. Com as eleições no país em outubro, ainda não está definida a participação de Bolsonaro no principal evento das Nações Unidas.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud