Guiné-Bissau aposta em jovens e parcerias para promover ação oceânica
BR

27 junho 2022

Chefe de Estado guineense acredita em edificação constante de uma economia aliada de oceano; ministro do ambiente conta com apoio internacional para ter mais dados sobre biodiversidade considerada única no país com mais de 80 ilhas. 

O presidente da Guiné-Bissau Umaro Sissoco Embaló disse esperar que a Conferência dos Oceanos da ONU estabeleça um novo paradigma sobre questões de conservação. Segundo os organizadores, o evento iniciado esta segunda-feira inclui 28 chefes de Estado e do governo. 

Em Lisboa, o líder guineense defendeu que tal modelo iria impulsionar soluções inovadoras para um dos maiores desafios da raça humana: o uso e conservação sustentável dos oceanos e seus recursos.

Geografia

“Não pretendo enumerar aqui o conjunto de problemas que enfrentamos. Basta dizer que nada nos é estranho no que diz respeito ao aumento das mudanças climáticas. O aumento do efeito da erosão nas áreas costeiras e enfim, estando realmente muito expostos a riscos e ameaças que são próprios da nossa geografia  . Por isso o aumento da viabilização do Acordo de Paris é para nós muito importante, muito importante.”

Umaro Sissoco Embaló sugere que planos de desenvolvimento incluam conservação e preservação
FAO Guiné-Bissau / Natalia da Luz
Umaro Sissoco Embaló sugere que planos de desenvolvimento incluam conservação e preservação

Para a Guiné-Bissau, deve se apostar em  novas gerações  para abordar questões partilhadas com outras nações vulneráveis sobre alterações do clima.

Umaro Sissoco Embaló apontou que qualquer pano de desenvolvimento que não inclua a conservação e preservação dos mares poderá fracassar. As autoridades guineenses defendem que edificar uma economia amigável ao oceano seja uma ação  permanente.

Base

“Efetivamente, o futuro pertence à juventude. Quero sublinhar que temos beneficiado muito de parceiros relativamente relevantes, nomeadamente das sempre relevantes agências das Nações Unidas, da União Europeia e de outros amigos numa base bilateral.”

 

Falando à ONU News, em Lisboa, o ministro guineense do Ambiente e Biodiversidade Viriato Cassamá disse que Lisboa é lugar para fortalecer a colaboração com outros países em relação à gestão dos mares.

“A nossa expectativa nesta Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos é  ter uma parceria estratégica com outros países dependentes dos recursos dos oceanos para que a Guiné-Bissau possa ter a linha de base do estado do nosso oceano, do nosso mar interior e dos nossos rios, de modo a podermos tirar proveito que este grande e incomensurável ecossistema nos dá. Nós pensamos que com um esforço global de todos os países-partes das Nações Unidas iremos com certeza estancar a poluição plástica, promover a ação prática e tomar decisões acertadas e ajustadas no tocante à gestão dos recursos oceânicos.” 

No total, o país tem 88 ilhas de biodiversidade considerada única. O líder da Guiné-Bissau apontou os oceanos como primeiro ecossistema no planeta, tendo lamentado que o país não seja um oásis em conservação.

*Reportagem de Eleutério Guevane e Leda Letra, enviados especiais a Lisboa.

Clique aqui para ver nossa página especial sobre a Conferência dos Oceanos da ONU

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud