Angola destaca que Conferência dos Oceanos é oportunidade para acabar com “triste cenário”
BR

27 junho 2022

Presidente da República, João Lourenço, lembra que os oceanos são fonte de riqueza e importantes para integrar diferentes culturais e trocas comerciais entre nações; ele pede urgência para resolver “triste cenário”. 

O presidente de Angola discursou em Lisboa nesta segunda-feira, na abertura da Conferência do Oceanos das Nações Unidas. João Lourenço enalteceu os oceanos pelo papel importante para a “integração das diferentes culturas, religiões e costumes dos povos” e pelas “trocas comerciais entre as nações”. 

O chefe de Estado angolano afirmou que o evento de alto nível na capital de Portugal traz uma oportunidade para reverter os danos causados ao ecossistema marinho. 

Pesca ilegal  

Pesca é fonte vital de alimentos e de empregos ao redor do mundo.
ONU/Martine Perret
Pesca é fonte vital de alimentos e de empregos ao redor do mundo.

“O triste cenário que hoje constatamos, impele-nos a agir com a máxima urgência por forma a encontrarmos soluções que invertam a atual tendência de poluição dos mares e oceanos e de exploração desregrada dos recursos marinhos.” 

João Lourenço explicou ainda que o governo angolano colocou a economia azul no Plano de Desenvolvimento Nacional. O presidente falou ainda sobre medidas para conter a pesca ilegal. 

Hidrogênio  

Oceanos no centro dos debates de alto nível durante toda a semana em Lisboa.
© Unsplash/Caleb George
Oceanos no centro dos debates de alto nível durante toda a semana em Lisboa.

“É em função desta perspetiva, que temos vindo a desenvolver ações no sentido de alargar os limites da nossa Zona Económica Exclusiva, na base do qual poderemos passar a utilizar e proteger os recursos que se encontram em zonas próximas da nossa costa e que têm vindo a ser objeto de dilapidação por parte de frotas pesqueiras estrangeiras não licenciadas.” 

Na Conferência dos Oceanos, o presidente João Lourenço destacou ainda que Angola acaba de assinar um contrato com uma empresa alemã para “dar os primeiros passos na produção de hidrogênio verde para exportação a partir de 2024.” 

Outra iniciativa de Angola mencionada no discurso do chefe de Estado foi uma campanha para a plantação de 1 milhão de mangais, durante oito meses, em toda a orla costeira do país.  

Clique aqui para ver nossa página especial sobre a Conferência dos Oceanos da ONU

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud