Portugal expressa apoio à chegada de Moçambique ao Conselho de Segurança  BR

Moçambique e Suíça eram parte de um grupo de 62 Estados-membros que nunca tiveram assento no Conselho
ONU/Rick Bajornas
Moçambique e Suíça eram parte de um grupo de 62 Estados-membros que nunca tiveram assento no Conselho

Portugal expressa apoio à chegada de Moçambique ao Conselho de Segurança 

Paz e segurança

País africano de língua portuguesa inicia mandato no órgão em 1 de janeiro de 2023; Ministro português dos Negócios Estrangeiros, João Cravinho, falou à ONU na véspera da eleição de Moçambique como um dos cinco membros rotativos do Conselho para o biênio 2023-2024; Cravinho visitou a ONU no Dia Mundial dos Oceanos. 

Moçambique assumirá um assento rotativo no Conselho de Segurança da ONU, pela primeira vez na história do órgão, em 1 de janeiro do próximo ano. O país foi eleito com todos os votos possíveis da Assembleia Geral, que escolhe a cada ano os cinco membros não permanentes do Conselho. 

O primeiro ano de Moçambique coincidirá com o último do Brasil, que em julho ocupará a presidência da Casa. 

Campanha 

E um outro país de língua portuguesa já está em campanha para voltar ao Conselho: Portugal. 

ONU News
Na ONU, chefe da diplomacia de Portugal fala da eleição de Moçambique

 

Na véspera da eleição de Moçambique, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, João Cravinho, disse à ONU News que Moçambique conta com o apoio de seu governo ao assumir os trabalhos em janeiro. Cravinho lembrou a resiliência dos moçambicanos durante a consolidação da paz, que em 2022 completa 30 anos. 

“Aliás, em certos momentos da sua história, viveu uma experiência difícil, com missões das Nações Unidas em território moçambicano. E essa experiência traz algo de significativo para o trabalho do Conselho de Segurança. Os temas que Moçambique tem identificado como importantes de combate ao terrorismo, questões da ligação entre alterações climáticas e segurança. São temas que nós consideramos também vitais para o trabalho do Conselho de Segurança. Portanto, nós estamos convencidos que Moçambique vai fazer um grande lugar.”  

Responsabilidade 

A vitória de Moçambique foi selada com uma votação unânime dos países que participaram na sessão de quinta-feira na Assembleia Geral. Equador, Japão, Malta e Suíça também asseguraram a entrada no Conselho ocupando os assentos disponíveis para as respetivas regiões.  

Moçambique e Suíça eram parte de um grupo de 62 Estados-membros da ONU que nunca tiveram assento no órgão.  

ONU News
Momento de vitória de Moçambique

Para a ministra dos Negócios Estrangeiros de Moçambique, Verónica Macamo, com a vitória vem também o sentimento de muita responsabilidade, foi o que disse à ONU News. 

“Quando ouvi o anúncio dos resultados senti um misto. Uma trilogia. Satisfação por termos conseguido realizar o sonho. Para poder realizar os objetivos e nossas prioridades para podermos participar no concelho. Mas também gratidão a toda a comunidade das. ações Unidade que botou em nós em...Que votou em nós em 100%. Finalmente, a última parte da trilogia, a responsabilidade que nos cabe. Nós estamos nos preparando para realizar a nossa missão com muita responsabilidade trazendo a nossa experiência, no âmbito da resolução e conflitos usando o diálogo.” 

Acordo de paz 

Moçambique vai se sentar na cadeira reservada à África Austral, que é ocupada pelo Quénia.  As Nações Unidas têm em Maputo um enviado especial,  Mirko Manzoni, que facilitar o diálogo entre o governo e o partido Renamo, antes um movimento armado na oposição. Sua grande responsabilidade é seguir a implementação de um acordo de paz assinado entre as partes. 

Foi há três décadas que o Conselho autorizou que fosse despachada a Missão da ONU em Moçambique, Onumoz. 

Entre 1992 e 1994 a operação ajudou setores como segurança, desminagem, desmobilização e reintegração combinando a manutenção da paz e a ação humanitária.  

Estabilização  

Moçambique acolheu 6,5 mil militares e observadores que conduziram o país às primeiras eleições multipartidárias.  

Equador, Japão, Malta e Suíça também asseguraram a entrada no Conselho
ONU/Manuel Elias
Equador, Japão, Malta e Suíça também asseguraram a entrada no Conselho

 

O processo foi monitorado por mais 2,3 mil observadores internacionais e das Nações Unidas. 

Com apoio da organização, mais de 1,3 milhão de refugiados foram repatriados, na que foi então considerada a maior operação já realizada pela Agência da ONU para refugiados, Acnur. 

De acordo com as Nações Unidas, mais de 76 mil soldados foram desmobilizados e recuperadas 155 mil armas na etapa decisiva do processo de estabilização após conflito iniciado em 1976.