Preço do trigo subiu mais de 56% em um ano
BR

3 junho 2022

FAO explica que valor de mercado do cereal aumentou devido a preocupação com condições de colheitas em vários países exportadores e redução da produção na Ucrânia; Índice de Preço dos Alimentos teve queda modesta em maio.  

Os preços das principais commodities alimentares tiveram uma redução modesta no meio de maio, comparado com abril, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO. 

A agência divulgou nesta sexta-feira o Índice de Preço dos Alimentos, que fechou o mês de maio com uma média de 157.4 pontos, ficando 0,6% abaixo dos números de abril.  

Impacto do conflito na Ucrânia  

Colheita de trigo perto da vila de Krasne, na Ucrânia.
FAO/Anatolii Stepanov
Colheita de trigo perto da vila de Krasne, na Ucrânia.

No caso específico do Índice de Preço dos Cereais, houve uma alta de 2,2%, puxada pelo aumento do preço do trigo. Segundo a FAO, o trigo ficou 5,6% mais caro em maio na comparação com abril e 56,2% mais caro do que o valor correspondente registrado há um ano. 

Existem algumas explicações para o valor de mercado do trigo continuar subindo: a Índia anunciou a proibição das exportações; houve preocupação com as condições das plantações em vários países exportadores e a produção de trigo na Ucrânia continua reduzida devido à guerra.  

Enquanto o arroz também ficou mais caro, o milho foi na direção oposta, com redução de preço devido ao início da colheita no Brasil e melhorias das condições de plantio nos Estados Unidos.  

A FAO prevê que a produção global de cereais em 2022 deva cair pela primeira vez em quatro anos, atingindo 2,7 bilhões de toneladas.  

Leite e açúcar   

A alta de preços que já afeta mais de 92% dos países no mundo agravada com o conflito entre Rússia e Ucrânia pode permanecer até dezembro de 2024
FAO/Alessia Pierdomenico
A alta de preços que já afeta mais de 92% dos países no mundo agravada com o conflito entre Rússia e Ucrânia pode permanecer até dezembro de 2024

O índice da FAO calcula também o preço dos óleos vegetais, que teve queda de 3,5% em maio na comparação com o mês anterior. Isso aconteceu com a Indonésia removendo uma proibição das exportações do óleo de palma e com menor demanda de importação dos óleos de soja e de canola, devido aos custos elevados dos últimos meses. 

O preço do leite e derivados também caiu 3,5% em maio, devido às incertezas do mercado de leite em pó causadas pelas restrições impostas pela China relacionadas à Covid-19.  

Por outro lado, houve uma alta demanda por parte de restaurantes do Hemisfério Norte, evitando que o preço do queijo diminuísse de forma significativa, apesar de uma demanda de importação mais fraca.  

Carne bovina 

Barraca de carne em um mercado em Pequim, China
© FAO/Justin Jin
Barraca de carne em um mercado em Pequim, China

O Brasil ganha destaca no levantamento da FAO devido ao enfraquecimento do Real em relação ao dólar americano. Aliado aos preços mais baixos do etanol, o valor médio mundial do açúcar acabou caindo 1,1% em maio.  

A agência da ONU calcula também o índice de preço das carnes, que teve ligeira alta de 0,6% no mês passado, em relação à abril. Enquanto o preço da carne bovina ficou estável, o preço da carne de porco caiu.  

A guerra na Ucrânia tem causado também rupturas na cadeia de abastecimento do frango, levando à alta no valor de mercado das aves. Outro problema observado pela FAO são os casos recentes de gripe aviária em meio ao aumento da demanda por frango na Europa e no Oriente Médio.  

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud