Alta de temperaturas e queda de chuvas reforçam alerta sobre leste de África
BR

14 abril 2022

Etiópia, Quênia e Somália enfrentam emergência iminente; OMM confirma que região enfrenta a seca mais grave em quatro décadas; leste africano tem mais de 29 milhões habitantes ameaçados pelos altos níveis de insegurança alimentar.

A Organização Meteorológica Mundial, OMM, lançou o alerta mais recente sobre a “perspectiva bastante real” da falta de chuvas. A situação que acontece pela quarta temporada consecutiva colocará os países da África Oriental em seca mais longa dos últimos 40 anos.

Etiópia, Quênia e  Somália já foram alvos de apelos urgentes lançados por agências humanitárias que defendem mais apoios internacionais para se evitar uma fome generalizada.

Antecipação

A comunidade hidro meteorológica abriu o ano 2022 com frequentes alertas de um possível desastre a especialistas às Nações Unidas e agências humanitárias. A meta dos contatos é  fornecer assessoria e apoiar ações antecipadas e de planejamento.

Este ano, o primeiro mês da estação chuvosa que se estende entre março e maio foi particularmente seco. De acordo com a última avaliação do Centro de Previsão e Aplicações Climáticas da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento, Igad,  a região como um todo também registrou temperaturas mais altas e chuvas abaixo do normal.

Mais de 29 milhões de pessoas enfrentam altos níveis de insegurança alimentar em toda a região leste africana
Unicef/Patricia Esteve
Mais de 29 milhões de pessoas enfrentam altos níveis de insegurança alimentar em toda a região leste africana

 

O centro climático regional da OMM lembra que a temporada conhecida como a “de chuvas longas” é a principal estação chuvosa, em especial na região equatorial que contribui com até 70% da precipitação anual.

Assistência 

O secretário executivo do Igad, Workneh Gebeyehu, disse que a chuva que cai durante o período é essencial e falha por quatro temporadas consecutivas. O fator associado a conflitos na região e na Europa, se junta ao impacto do Covid-19 e a desafios macroeconômicos que levaram a insegurança alimentar a níveis agudos no extremo leste da África.

Além das recorrentes secas, a região também foi afetada por grande surto de gafanhotos do deserto nos últimos dois anos.

Etiópia, Quênia e  Somália já foram alvos de apelos urgentes lançados por agências humanitárias
Foto: PMA/Rocío Franco
Etiópia, Quênia e  Somália já foram alvos de apelos urgentes lançados por agências humanitárias

 

O Igad lidera o Grupo de Trabalho de Segurança Alimentar e Nutrição com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO. O órgão estima que mais de 29 milhões de pessoas enfrentam altos níveis de insegurança alimentar em toda a região.

Necessitados

Entre 6 milhões e 6,5 ​​milhões delas vivem na Etiópia, 3,5 milhões no Quênia e 6 milhões na Somália. O centro-sul somali  abriga 81 mil pessoas em risco de fome.

Esta semana, a FAO, o Programa Mundial de Alimentos, PMA, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e o Escritório da ONU de Assistência Humanitária pediram mais fundos urgentes para a escalada de medidas essenciais no país onde 40% dos somalis estão à beira da fome.

A situação ameaça severamente seis áreas do país onde o aumento de pessoas necessitadas foi quase duas vezes superior em relação ao que enfrentam níveis extremos de insegurança alimentar aguda desde o início do ano.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud