Guerra na Síria completa 11 anos, com forte apelo de Guterres por uma solução política
BR

11 março 2022

Secretário-geral das Nações Unidas lembra das violações aos direitos humanos em larga escala e de um nível de destruição singular na história moderna; ele pede determinação para além da retórica, com a meta de acabar com o confronto e alcançar a paz. 

“Uma guerra terrível que acabou com a Síria e com o seu povo”, é assim que o secretário-geral da ONU começa a sua mensagem para marcar os 11 anos do conflito civil do país árabe.  

António Guterres lembra que o “conflito brutal” no período tem um custo humano inconcebível, com violações de direitos humanos em larga escala e de forma sistemática.  

Colapso da economia  

Menino passa por apartamentos destruídos em Alepo, Síra.
Foto: © UNICEF/Ninja Charbonneau
Menino passa por apartamentos destruídos em Alepo, Síra.

Segundo ele, “a destruição na Síria é tão extensa e fatal” que chega a ser praticamente única na história moderna e por isso, pede que não haja impunidade. 

 António Guterres menciona ainda o colapso econômico e  milhões de pessoas que se tornaram refugiadas ou deslocadas internas, tentando sobreviver em circunstâncias difíceis.  

Mas o chefe da ONU pede ao mundo para não perder a esperança e agir agora, mostrando “coragem e determinação para ultrapassar os compromissos retóricos sobre paz e para se fazer todo o necessário para se alcançar uma solução política para a guerra, como prevê a resolução 2254 do Conselho de Segurança, aprovada em 2015.  

Solução política é urgente  

Nesta semana, a ONU News entrevistou o presidente da Comissão de Inquérito da ONU sobre a Síria. Paulo Sérgio Pinheiro explicou que as negociações não estão acontecendo.  

“O andamento da negociação política está totalmente parado. O enviado especial (da ONU para a Síria) Geir O. Pedersen, faz um grande trabalho em termos do conselho constitucional, mas hoje a negociação política está parada porque a maioria dos atores continua achando que há uma solução militar para a crise. Não há outra saída a não ser uma saída diplomática.”   

Segundo Paulo Sérgio Pinheiro, os canhões, as armas e os ataques aéreos na Síria tem falado mais alto do que a diplomacia.  

Neste sentido, o chefe da ONU, António Guterres, pede que o conflito termine, com respeito à lei internacional humanitária. 

A mensagem destaca o “forte apelo a todas as partes para que se empenhem no processo político facilitado pelas Nações Unidas” e apoiem o aumento da resposta humanitária aos sírios.  

 

 

 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud