Na França, agências da ONU prometem impulsionar ações para preservar oceanos
BR

11 fevereiro 2022

Plano da Unesco prevê investimento de US$ 5 bilhões para concluir mapeamento do fundo do mar; Organização Mundial do Turismo, OMT, quer foco na economia azul para regenerar ecossistemas costeiros e marinhos na recuperação da pandemia.

Agências das Nações Unidas revelaram suas apostas para impulsionar a proteção dos oceanos no fim da Cimeira One Ocean, realizada em Brest, na França.

Temas como pesca, áreas marinhas protegidas e um possível tratado internacional em alto mar marcaram o evento que terminou nesta sexta-feira. A ONU está preparando para junho a Conferência dos Oceanos, em Lisboa, Portugal.

Fundo do mar

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, anunciou planos de mapear pelo menos 80% do fundo do mar até 2030.

Mapa da Unesco permitirá identificar recursos pesqueiros para exploração sustentável
Unsplash/Hiroko Yoshii
Mapa da Unesco permitirá identificar recursos pesqueiros para exploração sustentável

 

Para alcançar o objetivo, a diretora-geral da agência, Audrey Azoulay, disse que será preciso investir US$ 5 bilhões, ou em torno de US$ 625 milhões por ano, na próxima década.

A grande ambição é investir primeiro na mobilização de uma frota de 50 navios especialmente dedicados à atividade.

A Unesco pretende ainda que navios autônomos usem sonares, as ondas de propagação sonora em meio submarino, e transmitam os dados cartográficos a governos e empresas.

Década dos Oceanos

A Unesco ressalta que 20% do fundo do mar já está mapeado. A meta é que a Década da Ciência do Oceano para o Desenvolvimento Sustentável, iniciada em 2021, conclua o processo.

Como ferramenta de monitorização, o mapa global do fundo do mar irá reportar progresso anual e identificar lacunas nesses ecossistemas.

A Unesco defende ainda que é essencial conhecer a profundidade e os relevos do fundo do mar para entender a localização das falhas oceânicas, o funcionamento das correntes oceânicas e das marés, bem como o transporte de sedimentos.

Petróleo

Para a agência, esta informação contribui para proteger populações, antecipando riscos sísmicos, tsunamis e identificando sítios naturais que devem ser protegidos.

Turismo na recuperação da pandemia deve ajudar a regenerar mais ecossistemas costeiros
Foto Pnud
Turismo na recuperação da pandemia deve ajudar a regenerar mais ecossistemas costeiros

 

O mapa permite identificar recursos pesqueiros para exploração sustentável, ajudando a planejar a construção de infraestrutura offshore, ou mesmo a responder efetivamente a desastres como derramamentos de petróleo, acidentes aéreos ou naufrágios.

A agência ressalta que os dados têm ainda um papel importante na avaliação dos efeitos futuros das alterações climáticas.

Turismo

A sustentabilidade de um setor turístico de maior competitividade aliado à inclusão foi um dos temas levantados na cúpula.

Para a diretora executiva da Organização Mundial do Turismo, OMT,  o setor é um dos pilares essenciais da economia azul.

Entre outras, a importância da atividade se revela “na preservação dos oceanos, fornecendo incentivos financeiros e mecanismos para proteger os ecossistemas.”

Zoritsa Urosevic destacou que na recuperação da pandemia a área deve regenerar mais ecossistemas costeiros e marinhos para a resiliência, colocando pessoas no topo desses esforços.

O setor turístico absorve 40% da economia azul, a maior parcela do valor das exportações desta área.

Segundo dados da ONU, 80% da poluição dos oceanos saem da superfície terrestre.
Saeed Rashid
Segundo dados da ONU, 80% da poluição dos oceanos saem da superfície terrestre.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud