Estudo da ONU revela falta de justiça para migrantes vítimas de abuso
BR

2 janeiro 2022

Publicação feita pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc, mostra que vítimas de organizações de tráfico humano sofrem com violência; maioria não denuncia criminosos por medo de retaliações; governos não têm dados sobre agressões a migrantes. 

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc, divulgou um estudo que revela os detalhes da violência sofrida por migrantes em busca de uma vida melhor em outros países. 

As vítimas costumam sofrer agressões, tortura, estupro e sequestro nas mãos de traficantes de seres humanos. Muitas vezes, as denúncias são  negligenciadas pelas autoridades. 

Refugiados etíopes, fugindo de confrontos na região norte do país de Tigray, cruzam a fronteira com Hamdayet, Sudão, sobre o rio Tekeze
©Acnur/Hazim Elhag
Refugiados etíopes, fugindo de confrontos na região norte do país de Tigray, cruzam a fronteira com Hamdayet, Sudão, sobre o rio Tekeze

Violência 

De acordo com a chefe da seção de tráfico de seres humanos, Morgane Nicot, a pesquisa mostra que a violência é usada por traficantes ou outros agressores  como forma de punição, intimidação ou coerção e, não raro, sem motivo aparente. 

Segundo ela,  homens migrantes são submetidos a trabalhos forçados e violência física, enquanto as mulheres estão mais expostas a crimes sexuais, levando a gravidez indesejada e abortos. Para ela, todos estão em risco de tratamentos desumanos e degradantes. 

O Unodc explica que o contrabando de migrantes é uma atividade criminosa que consiste no pagamento de organizações ilegais para fazer travessias de fronteira. As vítimas, geralmente, desejam deixar seus países de origem, mas encontram barreiras no acesso aos meios legais para migrar. 

As pessoas podem estar fugindo de um desastre natural, conflito, perseguição ou violência de gênero. Outros são motivados por oportunidades de emprego, educação e reunificação familiar. 

Poucas informações 

Embora existam dados sobre mortos no mar, em desertos ou sufocados em contêineres, pouco se sabe sobre os motivos da violência e dos abusos aos quais os migrantes são submetidos, e o impacto sobre eles e como as autoridades lidam com a questão. 

Segundo Nicot, essa foi a principal razão da investigação. Ela conta que o estudo também examina como os policiais respondem aos casos de contrabando e destaca as dificuldades que enfrentam para processar esses crimes. 

A pesquisa inclui diversas entrevistas com migrantes traficados e análise de relatórios de parceiros do Unodc com vítimas de abuso. Os resultados confirmam que o uso da violência é generalizado em certas rotas de contrabando.  

No entanto, há poucas evidências de que esses crimes levem a investigações ou procedimentos legais, especialmente nos países de trânsito, onde são cometidos. 

Uma jovem que fugia da violência no México foi detida enquanto viajava com sua irmã para encontrar sua mãe nos Estados Unidos
© UnicefAdriana Zehbrauskas
Uma jovem que fugia da violência no México foi detida enquanto viajava com sua irmã para encontrar sua mãe nos Estados Unidos

Medo de denunciar 

Alguns migrantes não denunciam abusos por medo de serem tratados como criminosos por estarem em situação  irregular. Outros contam  que têm medo de  punições por fazer aborto e manter relações sexuais fora do casamento ou com pessoas do mesmo sexo, atos que são ilegais em alguns países. 

Nicot explicou que ainda há relatos de migrantes que não buscam as autoridades porque os agressores são funcionários públicos, muitas vezes envolvidos na operação de contrabando de migrantes. 

O estudo oferece orientação aos profissionais da justiça penal sobre como investigar e processar casos de violência e abuso durante operações de contrabando de migrantes internacionais, levando em conta  necessidades de segurança e violações dos direitos das mulheres. 

O documento também recomenda aos governos responderem de forma eficiente ao crime, protegendo essas pessoas e levando os criminosos à justiça. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud