Guterres encerra visita ao Líbano “gravemente preocupado” com crise econômico-financeira BR

Secretário-geral António Guterres visitou o porto de Beirute, onde ocorreu uma explosão em 2020.
Foto: UN Photo/Eskinder Debebe
Secretário-geral António Guterres visitou o porto de Beirute, onde ocorreu uma explosão em 2020.

Guterres encerra visita ao Líbano “gravemente preocupado” com crise econômico-financeira

Assuntos da ONU

De norte ao sul do país, secretário-geral afirma ter ficado comovido com relatos em primeira mão sobre como situação afeta o dia a dia da população; ele apelou a líderes políticos por reformas e renovação de esperança num futuro melhor. 

O secretário-geral das Nações Unidas concedeu uma entrevista à imprensa, nesta terça-feira, em Beirute, durante sua visita oficial ao Líbano. António Guterres declarou que foi doloroso para ele ver “o povo de um país tão bonito sofrendo”. 

Guterres citou diversos desafios da população libanesa, incluindo a falta de respostas mais de um ano depois da explosão do Porto de Beirute, que matou mais de 200 pessoas, incluindo duas crianças filhas de funcionários das Nações Unidas.  

Apelo aos líderes  

Secretário-geral António Guterres durante conferência de imprensa com o presidente do Líbano, Michel Aoun, em Beirute.
Foto: UN Photo/Eskinder Debebe
Secretário-geral António Guterres durante conferência de imprensa com o presidente do Líbano, Michel Aoun, em Beirute.

O chefe da ONU voltou a pedir uma investigação imparcial e transparente. Guterres também afirmou estar “gravemente preocupado com o impacto das crises financeira e econômica no país”, levando a um número cada vez maior de pessoas a buscarem assistência humanitária.  

Segundo o secretário-geral, é essencial que os líderes políticos trabalhem pela recuperação econômica e pelo combate à corrupção no Líbano. Ele aproveitou os últimos dois dias para fazer um apelo aos políticos sobre reformas que gerem maior transparência, proteção e levem à população esperança de um futuro melhor.  

Para o chefe da ONU, é preciso negociar a finalização de um acordo com o Fundo Monetário Internacional. Ele afirmou ainda que com o sofrimento do povo libanês, os líderes “não têm o direito de estarem divididos e de paralisarem o país”.  

Ajuda internacional é essencial  

Médica do Unicef trata crianças no Líbano.
Foto: © UNICEF
Médica do Unicef trata crianças no Líbano.

O chefe da ONU afirma que as eleições parlamentares, marcadas para 2022, serão “uma oportunidade essencial para as pessoas fazerem ouvir a sua voz”.  

Após encontro com Guterres, o presidente do Líbano, Michel Aoun, anunciou que a votação acontecerá em maio, uma garantia de que a “Constituição será respeitada”, na avaliação do secretário-geral. Guterres pediu a participação das mulheres no processo.  

Durante a declaração aos jornalistas, ele advogou ainda por uma pausa nas ofensas entre Líbano e Israel, em especial o lançamento de mísseis.  

Guterres garantiu que a ONU continua empenhada em ajudar o Líbano a ter um futuro inclusivo e digno, com respeito aos direitos humanos. 

O secretário-geral disse que a comunidade internacional precisa ajudar o Líbano a conseguir a estabilidade econômica e a fornecer o básico para a população, lembrando que as Nações Unidas receberam apenas 11% do valor estipulado no seu plano de resposta humanitária, apesar “da situação dramática da população e da economia libanesa”.