Embaixador na ONU diz que Brasil quer mais mulheres nas forças de paz BR

Embaixador citou prêmios que o Brasil recebeu das Nações Unidas por dois anos seguidos, o Defensora Militar da Igualdade de Gênero
Unficyp/Katarina Zahorska
Embaixador citou prêmios que o Brasil recebeu das Nações Unidas por dois anos seguidos, o Defensora Militar da Igualdade de Gênero

Embaixador na ONU diz que Brasil quer mais mulheres nas forças de paz

Paz e segurança

Ronaldo Costa Filho falou à ONU News sobre o desafio de recrutar mais militares femininas para as Forças Armadas e policiais no país; na ONU, ele citou prêmios recebidos por boinas-azuis brasileiras que defendem igualdade de gênero nas casernas e fora delas. 

Em entrevista à ONU News, o embaixador do Brasil nas Nações Unidas, Ronaldo Costa Filho, afirmou que o país entende que a participação feminina é fundamental não só nas operações de paz, mas também em todos os setores. 

Na frente militar, Costa Filho citou os prêmios que o Brasil recebeu das Nações Unidas por dois anos seguidos, o Defensora Militar da Igualdade de Gênero, pelo trabalho feito por duas mulheres brasileiras na Missão da ONU na República Centro-Africana, Minusca, em proteger mulheres e crianças da violência.  

A perspectiva de gênero nas missões de paz da ONU

Representatividade 

Uma delas é a capitã de fragata da Marinha Brasileira, Márcia Braga. Ao relembrar a distinção, o embaixador reiterou que as mulheres fazem a diferença nas missões de paz. 

“O que demonstra que elas têm um papel importante a prestar. Eu cito a facilidade que as mulheres têm para se aproximar e estabelecer um diálogo mais aberto e transparente com as comunidades locais afetadas. Então, as mulheres sim têm um papel muito importante a prestar neste lado.” 

Ronaldo Costa Filho é o novo embaixador do Brasil nas Nações Unidas.
ONU News
Ronaldo Costa Filho é o novo embaixador do Brasil nas Nações Unidas.

Além da questão militar, as mulheres ainda se destacam, de forma estratégica, na intermediação de conflitos. Segundo o embaixador, o Brasil está comprometido em alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 5, que busca a igualdade de gênero. 

Ainda assim, Costa Filho afirma que existem desafios para aumentar a representatividade feminina na área, já que a quantidade de mulheres trabalhando no Exército ainda é pequena. 

“O Brasil tem um programa nacional de mulheres paz e segurança que foi renovado em 2019 que visa aumentar a participação [feminina]. Não é fácil porque a participação de mulheres, no caso do Brasil, nas Forças Armadas e nas forças policiais ainda é minoritária. Então, não temos ainda um contingente com o qual colaborar plenamente. Mas o esforço nacional é de aumentar essa participação, tanto militar, policiais quanto na área civil.” 

Embaixador citou prêmios que o Brasil recebeu das Nações Unidas por dois anos seguidos, o Defensora Militar da Igualdade de Gênero
Unmiss
Embaixador citou prêmios que o Brasil recebeu das Nações Unidas por dois anos seguidos, o Defensora Militar da Igualdade de Gênero

O Brasil liderou missões de paz da ONU incluindo no Haiti, de 2004 a 2017, e atualmente possui boinas-azuis em nove áreas.  

De acordo com o Ministério da Defesa, mais de 30 mil homens e mulheres já participaram das operações de paz. 

Desde 2015, o Brasil comanda a Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo, Monusco, com um general brasileiro.