Corrupção no esporte: apostas ilegais somam US$ 1,7 trilhão por ano, diz Unodc
BR

9 dezembro 2021

Dados são de primeiro relatório sobre tema compilado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime; corrupção teve “aumento substancial” nos últimos 20 anos; documento diz que Brasil contribuiu com práticas contra crime adotadas para Copa do Mundo de Futebol e Olimpíadas.

De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc, cerca de US$ 1,7 trilhão circulam no mercado de apostas ilegal por ano.

A informação foi divulgada no primeiro Relatório Global sobre Corrupção no Esporte e pede uma resposta urgente, unificada e internacional para combater a negligência e a fraude em todo o setor.

Unodc avalia que a globalização, grande fluxo de dinheiro, crescimento das apostas esportivas legais e avanços tecnológicos estão fazendo com que mercado seja mais atraente para redes criminosas
Unsplash/Florian Olivo
Unodc avalia que a globalização, grande fluxo de dinheiro, crescimento das apostas esportivas legais e avanços tecnológicos estão fazendo com que mercado seja mais atraente para redes criminosas

Causas

De acordo com o relatório, a definição de apostas ilegais e seus limites jurídicos impõe contradições. Por isso, o Unodc destaca especialmente casos em que os operadores registrados fazem transações com países em que a prática não é permitida e, no caso mais grave, em que todo o processo não respeita normas legais.

O Unodc avalia que a globalização, o grande fluxo de dinheiro, o crescimento das apostas esportivas legais e avanços tecnológicos estão fazendo com que o mercado seja mais atraente para redes criminosas.

Além das apostas ilegais, o documento também analisa a manipulação de resultado de competições, abusos, suscetibilidade de grandes eventos esportivos a fraudadores e o envolvimento do crime organizado.

Estádios em todo o mundo estão vazios devido à pandemia
Unsplash/Anastasiia Chepinska
Estádios em todo o mundo estão vazios devido à pandemia

Brasil

O relatório destaca iniciativas implementadas para conter o problema e inclui um manual com considerações de políticas concretas, tanto para governos como para organizações esportivas. 

Para isso, a Secretaria da Conferência do Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção recebeu informações sobre iniciativas e práticas para lidar com a corrupção no esporte de diversos países. Também há dados de outras fontes, como revistas acadêmicas, estudos e artigos.

Diversos países de língua portuguesa foram citados pela implementação de códigos de conduta e ética no setor. O Brasil, que recebeu dois eventos esportivos internacionais, a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, e dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, também é mencionado.

Segundo o relatório, o país adotou legislações para lidar com risco de corrupção em aquisições e governança corporativa. 

Também foram feitas ações para fortalecer o acesso público a informação e conter o crime organizado, aumentando as penalidades para obstrução da justiça e outras sanções criminais contra indivíduos que lideram ou financiar organizações criminosas.

Corrupção

De acordo com a agência da ONU, o estudo revela uma “escala, manifestação e complexidade assombrosas da corrupção e do crime organizado no esporte em níveis global, regional e nacional”.

Desenvolvido em parceria com quase 200 especialistas no mundo, organizações esportivas, setor privado e academia, o relatório é a análise mais aprofundada já publicada sobre o assunto.

O texto também observa que a corrupção no esporte não é um fenômeno novo, existindo desde os antigos Jogos Olímpicos. No entanto, os resultados apontam para um “aumento substancial” nas últimas duas décadas.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud