“Guerra contra o povo sírio continua inabalável”, afirma presidente de comissão
BR

25 outubro 2021

Especialista disse à Assembleia Geral que país não é seguro e não recomenda o retorno de refugiados; brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro afirma que organizações terroristas não estão mais respeitando o cessar-fogo; mais de 40 mil crianças estão em campos de refugiados

O presidente da Comissão de Inquérito da ONU na Síria, Paulo Pinheiro, alertou a comunidade internacional que os conflitos no país seguem ameaçando a população. 

Falando na Assembleia Geral, ele reforçou que a Síria não está em segurança e não é o momento para o retorno de refugiados. Pinheiro acrescentou que eles estão observando “um aumento da luta e da violência”. 

Crianças levam baldes com água em campo de deslocados na Síria
OCHA/Bilal al Hamoud
Crianças levam baldes com água em campo de deslocados na Síria

Cessar-fogo 

No relato, o representante do grupo de especialistas afirmou que a calmaria nas hostilidades no noroeste da Síria, impulsionada pelo cessar-fogo de março de 2020, está se desfazendo. 

Pinheiro afirma que instalações médicas, mercados e áreas residenciais foram atingidos por ataques aéreos e terrestres. A organização terrorista Hay'at Tahrir al-Sham continua a abusar dos direitos com impunidade, incluindo a detenção arbitrária de ativistas da mídia e jornalistas, incluindo mulheres. 

Partes do sudoeste da Síria também experimentaram o retorno de táticas de combate e de cerco não vistas desde antes de 2018. Em Dar'a Al-Balad, milhares de civis ficaram sem acesso a alimentos ou cuidados de saúde até o último mês, levando muitos a deixarem o país. 

Há também relatos de explosões na região de Alepo e prisões e torturas por parte do Exército Nacional Sírio, ligado à oposição. 

Refugiados do Iraque caminham para o campo de Al-Hol, na Síria
© Unicef/Delil Souleiman
Refugiados do Iraque caminham para o campo de Al-Hol, na Síria

Campos de refugiados 

A Comissão também chamou a atenção para a situação de até 40 mil crianças em Al Hawl e em outros campos de desabrigados transformados em detenção no nordeste da Síria, aonde foram ilegalmente privados de sua liberdade por vários anos. 

De acordo com Pinheiro, a maioria tem menos de 12 anos, quase metade são iraquianos e cerca de 7,8 mil vêm de quase 60 outros países. 

Ele afirma que as crianças são as principais vítimas e precisam de proteção, educação e uma “infância de verdade”.  

Abordando uma das maiores agonias que os sírios enfrentam, a Comissão lembrou à Assembleia Geral que centenas de milhares de sírios acordam todas as manhãs, preocupados com o destino e o paradeiro de entes queridos desaparecidos. 

O presidente da Comissão da ONU para Síria concluiu pedindo mais ação dos Estados-membros no país. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud