Uma criança morre a cada 10 minutos por falta de alimentos no Iêmen BR

Crianças deslocadas por causa da violência chegam a 1,7 milhão no Iêmen
PMA/Mohammed Awadh
Crianças deslocadas por causa da violência chegam a 1,7 milhão no Iêmen

Uma criança morre a cada 10 minutos por falta de alimentos no Iêmen

Paz e segurança

Agências humanitárias preveem a morte de 400 mil crianças menores de cinco anos em um ano; total de menores deslocados pela violência chega a 1,7 milhão; conflito de seis anos deixou 2 milhões de alunos fora da escola.

A situação humanitária do Iêmen preocupa diferentes agências das Nações Unidas que pedem mais fundos para prestar auxílio às populações. O país está a caminho de completar sete anos de conflito civil.

A cada 10 minutos, uma criança iemenita perde a vida devido à desnutrição. São mil mortes por semana, no país que é considerado um dos lugares mais difíceis do mundo para ser uma criança.

Alimentos

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, informou que a distribuição completa de alimentos foi recentemente restaurada após meses de redução. A medida foi possível graças a uma resposta de doadores como Estados Unidos, Alemanha, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita.

Após lançar vários alertas sobre a iminência da fome e de uma catástrofe alimentar, a agência destaca a falta de fundos para mais de metade dos 30 milhões de habitantes do país, que devem passar pela situação.

Uma família no campo de Al Dhale'e para pessoas deslocadas pelo conflito no Iêmen
Ocha/Mahmoud Fadel
Uma família no campo de Al Dhale'e para pessoas deslocadas pelo conflito no Iêmen

 

A previsão é que a crise alimentar provoque a morte de 400 mil crianças menores de cinco anos nos próximos 12 meses.

No terreno, a moeda desvaloriza e os preços dos alimentos disparam. Em breve, os beneficiários das entregas alimentares poderão sofrer novos cortes, se 800 milhões não forem disponibilizados para atuar nos próximos seis meses.

A diretora executiva do Fundo da ONU para a Infância, Unicef, Henrietta Fore, destaca que a guerra no Iêmen criou a maior crise humanitária do mundo. A situação piora com a crise de saúde e os efeitos socioeconômicos da pandemia.

Lares

Fore adverte que, a cada dia, a violência e a destruição causam danos na vida de crianças e suas famílias. Somente em 2021, o aumento de crianças deslocadas por causa da violência subiu para 1,7 milhão.

Pai com filho em assentamento de deslocados de Al-Dhale'e, no Iêmen
Ocha
Pai com filho em assentamento de deslocados de Al-Dhale'e, no Iêmen

 

O colapso total está iminente em serviços básicos como saúde, água potável, saneamento e educação que encaram fragilidades.

A educação infantil no Iêmen também foi gravemente afetada pela guerra. Pelo menos 2 milhões de crianças continuam fora da escola.

Um em cada seis centros de ensino não pode mais ser usado para a atividade. Dois terços dos professores não recebem um salário regular há mais de quatro anos.

Menores que sobrevivem à guerra podem ter que carregar as marcas físicas e emocionais pelo resto da vida, numa situação que prejudica o desenvolvimento e a felicidade na vida adulta. No país, ser criança é ter “passado por uma experiência de violência que nenhuma outra deveria enfrentar”.

Meninas em acampamento para pessoas deslocadas pelo conflito no Iêmen.
YPN para o Ocha
Meninas em acampamento para pessoas deslocadas pelo conflito no Iêmen.