Comissão de Inquérito sobre a Síria desaconselha retorno de refugiados 
BR

14 setembro 2021

Grupo de especialistas da ONU aponta guerra contra civis que torna difícil que estes encontrem segurança; governo controla cerca de 70% do território e pelo menos 40% do total da população nacional anterior à guerra.

Um novo relatório da Comissão Internacional Independente de Inquérito sobre a Síria realça que “não é hora de se pensar que o país seja digno do retorno de seus refugiados”.

O presidente da comissão, Paulo Sérgio Pinheiro, falou à ONU News esta terça-feira após lançar o documento, em Genebra. Ele destacou haver uma guerra contra os civis que torna difícil que estes encontrem segurança ou refúgio no próprio país. 

Guerra contra civis

“Na realidade a esperança era que com a diminuição dos bombardeios aéreos em todo o território, e com a reconquista de território pelo Governo da Síria, que a situação da população civil progressivamente fosse melhorando em termos de condições de vida. Ainda que em termos materiais seja um pouco irrealista esperar uma melhora imediata. Mas o que falamos é que era uma guerra contra civis. Que na verdade, o governo continua praticando detenções arbitrárias, tortura e, enfim, as violações que sempre foram cometidas continuam ocorrendo.”

Refugiados do Iraque caminham para o campo de Al-Hol, na Síria
© Unicef/Delil Souleiman
Refugiados do Iraque caminham para o campo de Al-Hol, na Síria

 

Uma década após o início do conflito, o governo controla cerca de 70% do território e 40% do número total da população que existia antes da guerra. Apesar disso, “parece não haver medidas para unir o país ou buscar a reconciliação”. 

Pelo contrário: o relatório documenta que os incidentes são atribuídos a forças governamentais. Além da violência sexual ocorrendo durante as detenções, também acontecem mortes sob custódia e desaparecimentos forçados.

O período analisado destaca ainda um rápido agravamento da economia. Os preços do pão dispararam e houve um aumento de mais de 50% na insegurança alimentar, em comparação com o ano passado.

Covid-19

Numa situação geral descrita como “cada vez mais sombria”, a violência se intensifica, os leitos dos rios da Mesopotâmia estão mais secos e parece ser impossível parar a transmissão comunitária da Covid-19.

O sistema de saúde foi gravemente danificado pela guerra e há falta de oxigênio e de vacinas. 
O 24º relatório da comissão registra mais ataques de integrantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante, Isil. 

Situação geral  é descrita como sendo “cada vez mais sombria”
Ocha/Halldorsson
Situação geral é descrita como sendo “cada vez mais sombria”

 

De acordo com o documento, após o início dos confrontos, há uma década, “as partes em conflito continuam a cometer crimes de guerra e contra a humanidade e violando os direitos humanos básicos dos sírios.”

Liberdade

Uma das áreas mais atingidas pela recente violência é a cidade de Al-Hol, onde a maioria das crianças estrangeiras continua privada de liberdade e seus países de origem se recusam a repatriá-las.

O conflito que gerou a maior crise mundial de refugiados desabrigou cerca de 5,6 milhões de pessoas.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud