Menos de 1% das crises tem fundos para atuação humanitária antes de crises    BR

Secretário-geral António Guterres disse  50% de todas as crises podem ser preveníveis de alguma forma
ONU/Eskinder Debebe
Secretário-geral António Guterres disse  50% de todas as crises podem ser preveníveis de alguma forma

Menos de 1% das crises tem fundos para atuação humanitária antes de crises   

Ajuda humanitária

ONU prevê aumento de pessoas carenciadas com novas situações como a do Afeganistão; cerca de 235 milhões de pessoas precisam de assistência e proteção em nível global; número de necessitados é 40% mais alto do que o do ano passado.  

Melhorar a ação humanitária antes que um desastre aconteça é o tema que esta quinta-feira reuniu líderes das Nações Unidas e representantes de governos, instituições financeiras internacionais e sociedade civil em Nova Iorque. 

A organização acolheu o Evento Humanitário de Alto Nível sobre a Ação Antecipatória sob o lema Um compromisso para agir antes das crises.  

Financiamento  

A iniciativa aconteceu  após compromissos recentes sobre o tema feitos pelo grupo de países mais industrializados do mundo, G-7, e a dois meses da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, COP-26, em Glasgow. 

Cresce impacto das mudanças climáticas na gravidade e na frequência dos desastres
Acnur/Fauzan Ijazah
Cresce impacto das mudanças climáticas na gravidade e na frequência dos desastres

 

Em mensagem de vídeo gravada para o evento, o secretário-geral António Guterres disse  50% de todas as crises podem ser preveníveis de alguma forma, mas menos de 1% dos fundos são previamente alocados para uma ação antecipada. 

De acordo com a ONU, 235 milhões de pessoas em todo o mundo precisam de assistência e proteção humanitária, ou 40% a mais do que no ano passado.  

Já o presidente da Assembleia Geral, Volkan Bozkir, disse que é preciso tomar medidas urgentes agora para reverter a tendência de necessidades humanitárias estão ultrapassando o financiamento. 

Necessidades crescentes  

Bozkir destacou que a expetativa é que o número de necessitados aumente ainda mais considerando a situação no Afeganistão, bem como as carências crescentes em outros lugares. 

Ele lembrou que o mundo enfrenta a recessão global mais profunda desde os anos 1930, com o desemprego em alta refletido no aumento da pobreza extrema global  pela primeira vez em mais de duas décadas. 

Cheias, como esta em Bangladesh, são o desastre natural mais comum
Unicef/Shafiqul Alam Kiron
Cheias, como esta em Bangladesh, são o desastre natural mais comum

 

O evento reconhece ainda o impacto crescente das mudanças climáticas na gravidade e na frequência dos desastres. 

Provisões 

O Escritório da ONU de Assistência Humanitária, Ocha, destaca que em vez de se esperar que ocorra um desastre como uma seca ou inundação e subam as necessidades humanitárias haja mais provisões. 

Nesse processo deve ser antecipado o impacto com maior precisão, como no setor de insegurança alimentar.  

Essa atuação permite que se tomem medidas preventivas antes da piora da situação para salvar vidas, interromper o aumento das necessidades, reduzir o sofrimento e maximizar o impacto do financiamento.