Situação humanitária no Haiti em debate no Conselho de Segurança
BR

23 agosto 2021

Áreas atingidas pelo terremoto registram piora de tensões; comunidade humanitária quer mais segurança para comboios de ajuda; com apelo de emergência ainda por ser lançado, agências clamam por mais pessoal e fundos.

O Conselho de Segurança debate, esta segunda-feira, a situação humanitária no Haiti, em sessão realizada a portas fechadas. O país sofreu um terremoto, de 7.2 na escala Richter, em 14 de agosto.

As autoridades haitianas informam que mais de 2,2 mil pessoas morreram, pelo menos 344 estão desaparecidas e mais de 12 mil feridas. Cerca de 130 mil casas foram danificadas ou destruídas.

Apelo de emergência

Mas enquanto aumentam os esforços de resposta em todas as áreas afetadas pelo terremoto, pioram as tensões no terreno. O apoio às comunidades mais atingidas requer maior segurança para os comboios humanitários.

Após o sismo, a principal estrada de acesso na capital estava tomada por bandidos.

Sala do Conselho de Segurança da ONU
ONU/Loey Felipe
Sala do Conselho de Segurança da ONU

 

A meta é criar um plano conjunto de resposta que seja coberto por um apelo de urgência.
Os parceiros humanitários já negociaram um corredor, mas apontam restrições de acesso e insegurança. 

Necessidades urgentes 

No terreno, faltam pessoal e fundos para responder a crise. O governo destaca a urgência em transferir cerca de 1,6 mil famílias de três locais abrigando deslocados.

As organizações dizem que respondem a crises paralelas, incluindo a pandemia, o deslocamento interno relacionado a gangues e o agravamento da insegurança alimentar.

Feridos após o terremoto no Haiti buscam assistência em hospital
Foto: © UNICEF/George Harry Rouzie
Feridos após o terremoto no Haiti buscam assistência em hospital

 

Nesta segunda-feira, a Organização Internacional para Migrações, OIM, disse que precisa de cerca de US$ 15 milhões para atender necessidades mais urgentes das famílias afetadas.

Rapidez 

Dias após o tremor, o Fundo Central de Resposta a Emergências liberou US$ 8 milhões para assistência essencial à saúde. Outras necessidades a serem cobertas incluem abrigo, água e saneamento, higiene, proteção, logística e segurança alimentar. 

Parceira das Nações Unidas, a Cruz Vermelha pediu US$ 10,9 milhões para apoiar serviços de emergência assistência e apoio para a recuperação rápida de 25 mil afetados.

A comunidade humanitária reitera a urgência de se aumentar pessoal e fundos para aumentar rapidamente os esforços para atender à escala das necessidades devido à situação que agrava com rapidez.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud