Unctad observa melhora das expectativas dos investidores e consumidores

Brasil entre economias onde aumento de preços de commodities elevou receitas  BR

© MSC shipping
Unctad observa melhora das expectativas dos investidores e consumidores

Brasil entre economias onde aumento de preços de commodities elevou receitas 

Desenvolvimento econômico

Estudo adverte sobre países da América Latina e Caribe com volumes de exportação paralisados ou em queda; região é recomendada a se preparar melhor para futuros choques como efeito da incerteza nos mercados e dependência de bens de consumo. 

As economias da América Latina e do Caribe devem aumentar sua resiliência aos choques, na sequência dos aumentos dos preços das commodities ocorridos nos últimos meses durante a pandemia. 

A recomendação é de novo estudo da Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento, Unctad, que analisou as flutuações nos custos de bens básicos e a volatilidade do fluxo de capital na região. 

Exportação 

A publicação destaca casos onde a alta de custos dos bens de consumo impulsionou as receitas, mas os volumes de exportação estão estagnados ou em queda.    

Constatações do estudo servirão de base de discussões no Fórum Global de Commodities
Foto: OMI
Constatações do estudo servirão de base de discussões no Fórum Global de Commodities

 

O Brasil é citado como um desses exportadores pelo aumento do preço de oleaginosas em 24,3% no primeiro semestre do ano, comparado ao mesmo período de 2020. A situação é acompanhada de uma ligeira baixa nos volumes de exportação. 

A Unctad observa que aumentar os preços das commodities afeta negativamente os saldos comerciais dos importadores. No caso de alimentos e combustíveis, a subida elevou ainda mais os custos de importação e pode fazer disparar as taxas de pobreza e de insegurança alimentar. 

A agência realça que esse cenário nem sempre é bom para os países dependentes de commodities, que totalizam 14 das 33 economias da região. Elas contam com pelo menos 60% da receita total vinda da exportação de mercadorias. Outras sete nações têm uma participação destes bens básicos entre 50% a 60%. 

Incerteza 

Apesar de o papel de produtos básicos ser vital para as várias economias da região, o estudo ressalta que é preciso aumentar a resiliência a choques futuros considerando os altos níveis tanto da incerteza nos mercados de commodities, como da dependência. 

Fatores associados à transição energética global também podem estar contribuindo para a evolução dos preços no longo prazo
Unsplash/Jared Sanders
Fatores associados à transição energética global também podem estar contribuindo para a evolução dos preços no longo prazo

 

Atualmente, os preços das matérias-primas têm subido com a recuperação da atividade econômica mundial impulsionada pelos avanços nos esforços de vacinação e relaxamento das restrições de movimento. 

A Unctad também observa uma melhora das expectativas dos investidores e consumidores, o que contribui para a alta de custos de commodities. Em especial estão a energia, os minerais e os metais. 

Alguns fatores associados à transição energética global também podem estar contribuindo para a evolução dos preços no longo prazo, realça a Unctad. 

As constatações do estudo servirão de base de discussões no Fórum Global de Commodities, agendado para meados de setembro.