Ataques mataram mais de 700 profissionais da área da saúde nos últimos anos
BR

3 agosto 2021

Análise feita pela Organização Mundial da Saúde indica que mais de 2 mil pessoas ficaram feridas; maioria das ações ocorreu no Afeganistão e na Síria; violência também gera impacto na saúde mental de médicos e enfermeiros. 

Mais de 700 profissionais do setor da saúde e pacientes morreram nos últimos três anos em mais de 2,7 mil ataques violentos que aconteceram em diversos países. A maioria ocorreu no Afeganistão, na Síria e em Mianmar. 

A Organização Mundial da Saúde, OMS, divulgou esta terça-feira, em Genebra, o resultado da análise sobre ataques a hospitais, centros de saúde e ambulâncias. Segundo o diretor de Intervenções de Emergências de Saúde, a violência fez com que “milhões de pessoas ficassem sem receber cuidados de saúde necessários”. 

Hospital Kafr Nubl e ambulância em ruínas, depois de ataque no início de maio de 2019.
Unicef/Khalil Ashawi
Hospital Kafr Nubl e ambulância em ruínas, depois de ataque no início de maio de 2019.

Saúde Mental  

Altaf Musani expressou grande preocupação com a destruição de centenas de postos de saúde e com as mortes de médicos e enfermeiros. Segundo ele, um entre seis incidentes causou a morte de um paciente ou de um profissional do setor em 2020.  

No relatório, a OMS alerta para o impacto desses ataques na saúde mental das pessoas, especialmente no contexto atual da pandemia de Covid-19. Musani explica que muitos profissionais reportaram não ter vontade de retornar ao trabalho e muitos pacientes temem em buscar ajuda nos centros de saúde.  

OMS fez um balanço da situação humanitária na Líbia e denunciou ainda que 12 ambulâncias foram atacadas
Ocha/Giles Clarke
OMS fez um balanço da situação humanitária na Líbia e denunciou ainda que 12 ambulâncias foram atacadas

Efeito Cascata  

O representante da OMS cita o “efeito cascata” que um único incidente do tipo pode causar, com consequências a longo prazo para os sistemas de saúde. Musani pede a todos os lados em conflito para garantir segurança nos serviços de saúde, sem vioência, ameaças ou medos.  

Ele destaca que “um ataque já é bastante”. A OMS lembra que enquanto o mundo luta para combater a Covid-19, é mais importante do que nunca proteger o sistema de saúde, principalmente nos locais mais vulneráveis.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud