Moçambique: Unicef teme que falte auxílio essencial se não houver mais fundos
BR

27 julho 2021

Fatores como terceira onda da Covid-19, conflito no extremo norte e doenças que podem ter graves consequências aumentam necessidades; entre atividades mais ameaçadas estão entrega de água potável, serviços de saúde, nutrição e ensino.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, destaca que não será capaz de fornecer apoio previsto no apelo humanitário de 2021 em Moçambique devido à atual lacuna de financiamento.

De acordo com a agência, faltam fundos para cerca de 69% das necessidades de financiamento para programas de emergência em andamento. Sem o valor necessário ficará prejudicado o acesso à água potável, aos serviços de saúde e à nutrição, além de oportunidades de aprendizagem, proteção infantil e apoio a sobreviventes da violência de gênero.

Conflito na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, gerou a uma crise de deslocamento
© PMA/Grant Lee Neuenburg
Conflito na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, gerou a uma crise de deslocamento

Crianças   

Uma revisão feita em junho destaca que as necessidades aumentaram para US$ 96,5 milhões. Com o montante seriam fornecidos serviços essenciais e para manter crianças e seus cuidadores vivos. 

Para ilustrar os desafios, a agência destaca que o país teve uma alta nos casos de Covid-19 em junho, com o início da terceira onda. Apenas 1% da população-alvo foi completamente vacinada, quando era necessário chegar a 54% dos habitantes.

O Unicef também atua na frente de prevenção divulgando mensagens a 12 milhões de pessoas por mês. As atividades de informação também pretendem incentivar a vacinação.

Com o recente ataque de grupos não estatais à cidade de Palma, no final de março, mais de 70 mil pessoas deixaram o distrito de Cabo Delgado. Confrontos com forças do governo na província já causaram pelo menos 732 mil deslocados.

No Norte de Moçambique mais de 732 mil pessoas estão deslocadas devido ao conflito no Norte do país, das quais 46% são crianças
© Unicef Moçambique/2021/Ricardo Franco
No Norte de Moçambique mais de 732 mil pessoas estão deslocadas devido ao conflito no Norte do país, das quais 46% são crianças

Sarampo 

Há ainda questões de saúde que podem ter efeitos graves. Cerca de 511 mil crianças menores de cinco anos enfrentam a desnutrição aguda. A agência informou ter ajudado a imunizar mais de 294 mil menores de 15 anos contra o sarampo e a rubéola.

O Unicef também apoia operações de transferências monetárias feitas pelo governo para beneficiar mais de 20 mil famílias em situação de fragilidade.

Este cenário acontece quando 689 mil crianças precisam de assistência humanitária, pouco menos da metade do número de moçambicanos carecendo de ajuda. 

Até o momento, a agência recebeu US$ 16,3 milhões para a resposta humanitária de governos como Canadá, Japão, Noruega, Suécia, Itália e Reino Unido. Entre os doadores estão a iniciativa a Educação Não Pode Esperar e o Fundo Central de Resposta a Emergências da ONU.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud