Unicef teme aumento de ataques na Nigéria após sequestro de 150 estudantes 
BR

8 julho 2021

Diretora-executiva da agência diz que grupos armados na África Central e Ocidental agem com mais violência antes da temporada de chuvas e enchentes; crianças de Burkina Fasso, Camarões, República Centro-Africana e República Democrática do Congo também estão sob risco. 

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, confirmou que 150 estudantes foram raptados numa escola, na segunda-feira, na Nigéria. A diretora-executiva da agência, Henrietta Fore, demonstrou preocupação com a possibilidade dos ataques deste tipo aumentarem na África Ocidental e na África Central. 

Segundo ela, os grupos armados geralmente seguem um padrão: são mais violentos antes da temporada de chuvas fortes, quando as enchentes acabam por limitar a locomoção de pessoas.  

Medo 

Fore destacou que esta situação tem sido vista em Burkina Fasso, Camarões, Níger, Nigéria, República Centro-Africana e República Democrática do Congo.  

Ataques a menores podem aumentar na África Ocidental e Central
Unicef/Juan Haro
Ataques a menores podem aumentar na África Ocidental e Central

 

Para ela, “com a maior frequência desses incidentes, aumenta o medo em relação à segurança e ao bem-estar das crianças da região.” Em Burkina Fasso, por exemplo, os ataques subiram de forma considerável nas últimas semanas, sendo que 178 civis morreram desde o começo de julho.  

Mais de 1,2 milhão de pessoas, 61% crianças, estão deslocados em Burkina Fasso devido à onda de violência. Nos Camarões, o Unicef avalia que 1 milhão de menores de idade precisam de proteção. No mês passado, um grupo armado invadiu um centro religioso e matou um menino de apenas 12 anos.  

Assassinatos e Raptos  

A agência da ONU também tem registrado alta nos abusos sexuais de meninas na República Centro-Africana. O total de crianças assassinadas no começo deste ano foi sete vezes maior aos números registrados nos últimos meses de 2020.  

Chefe do Unicef, Henrietta Fore.
Foto: ONU/Evan Schneider
Chefe do Unicef, Henrietta Fore.

 

O Unicef calcula que desde dezembro, pelo menos 950 estudantes tenham sido raptados na Nigéria por grupos armados. A maioria ainda não retornou para a casa.  

A violência também é constante na RD Congo, onde o Unicef registrou mais de 3,4 mil violações de abusos contra crianças, como recrutamento forçado por grupos armados, raptos e assassinatos. 

A diretora da agência da ONU diz que condenar esses crimes não é suficiente. Henrietta Fore pede ação para garantir que as crianças desses países africanos “tenham liberdade de viver, de ir para a escola ou até de buscar água, sem medo de sofrerem ataques violentos”.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud