OIT reúne líderes internacionais para fortalecer postos de trabalho após pandemia 
BR

18 junho 2021

Primeiro-ministro de Portugal, António Costa, lembra que crise global de saúde afetou mais trabalhadores informais, jovens, migrantes e mulheres; mundo perdeu 255 milhões empregos de tempo integral presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e Papa Francisco também enviaram mensagens. 

O funcionamento do trabalho após a pandemia da Covid-19 é o tema de uma reunião virtual de chefes de Estado e governo e outros líderes internacionais, em Genebra, sede da Organização Internacional do Trabalho, OIT. 
Representantes de entidades laborais e empregadores também discursam na Cúpula Mundo do Trabalho, nestes 17 e 18 de junho, que conclui a 109ª Conferência Internacional do Trabalho. 

União Europeia 

O evento analisa a resposta ao impacto arrasador da Covid-19 sobre o mercado e ações necessárias para construir um futuro laboral melhor para todos. 

Um dos participantes na abertura foi o primeiro-ministro de Portugal, António Costa. Na mensagem, ele contou que o seu país está apoiando o treinamento de trabalhadores para um futuro ainda mais digital após a pandemia. 

Uma das decisões aprovadas durante a Cimeira Social do Porto, realizada no mês passado, na Presidência de Portugal na União Europeia. 

“A meta de assegurar que 60% dos trabalhadores participarão pelo menos uma vez por ano em ações de formação ao longo da próxima década. Trabalho digno e com direitos é mesmo fundamental assegurar para a dignidade da pessoa humana. Mas é também essencial e indispensável para termos uma sociedade mais resiliente, menos exposta nas suas vulnerabilidades a situações como esta da pandemia”. 

Além de António Costa, participaram da abertura o Papa Francisco, o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in e o líder dos Estados Unidos, Joe Biden.   

Pandemia 

Em 2020, o mundo perdeu 255 milhões de postos de trabalho de tempo integral. A crise causada pela pandemia ameaçou milhões de empresas especialmente as de tamanho médio e pequeno. 

As perdas em receitas laborais foram de US$ 3,7 trilhões. 

O prejuízo lançou 108 milhões de homens e mulheres na pobreza laboral, e os mais vulneráveis são os que sofrem as piores consequências. 

Uma vendedora vende pão em uma padaria em Tirana, na Albânia. Para a OIT, a Covid-19 expôs problemas enraizados no mercado laboral
OIT/Marcel Crozet
Uma vendedora vende pão em uma padaria em Tirana, na Albânia. Para a OIT, a Covid-19 expôs problemas enraizados no mercado laboral

Para a OIT, estão em jogo não só os postos de trabalho integral ou de meio expediente, mas a proteção social de todos os trabalhadores incluindo os que atuam na economia informal. 

Desafios 

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, o secretário-geral da Organização Internacional de Empregadores, Roberto Suárez Santos e a secretária da Confederação da União Internacional do Comércio, Sharan Burrow, realizaram uma conversa sobre medidas e ações para moldar o trabalho pós-pandemia. 

Com a crise global, não somente a forma de produção, o trabalho a distância e o aumento do desemprego foram evidenciados como crises e oportunidades.

Para a OIT, a Covid-19 expôs problemas enraizados no mercado laboral e levou empregadores, empregados e governos a pensarem nos desafios para o multilateralismo. 

Com o retorno dos trabalhadores após a pandemia, a agência da ONU recomenda uma reflexão e um plano de ação que ajudem a construir um mundo laboral com trabalho decente e justiça para todos. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud