Unicef acolhe compromisso do G-7 de doar vacinas contra Covid-19  BR

Líderes do G-7 reunidos em Cornualha, no Reino Unido
Karwai Tang/G7 Cornwall 2021
Líderes do G-7 reunidos em Cornualha, no Reino Unido

Unicef acolhe compromisso do G-7 de doar vacinas contra Covid-19 

Ajuda humanitária

Líderes anunciaram em encontro deste fim de semana a doação de 1 bilhão de doses para nações mais pobres; agência pede que imunizantes sejam distribuídos mais rapidamente do que foi anunciado.  

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, saudou esta segunda-feira o compromisso dos líderes das nações do G-7 para acelerar a implementação de vacinas seguras, eficazes e acessíveis para os países mais pobres. 

Durante encontro na Cornualha, no Reino Unido, o grupo de países anunciou a distribuição de 1 bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para os países mais pobres. O objetivo é acabar com a pandemia em 2022. 

Solução  

Em comunicado, a diretora executiva do Unicef, Henrietta Fore, disse que “o acesso equitativo às vacinas representa o caminho mais claro para sair desta pandemia.” 

Vacinas da Covax já chegaram a mais de 100 países, incluindo Mongólia
Unicef/Khasar Sandag
Vacinas da Covax já chegaram a mais de 100 países, incluindo Mongólia

Fore afirmou que o Unicef está particularmente satisfeito que algumas das doações serão disponibilizadas imediatamente. Segundo ela, “o tempo ainda é essencial.” 

A chefe da agência agradeceu aos Estados-membros por suas promessas e destacou os embaixadores e apoiadores que “estão compartilhando suas vozes em fazer um apelo para doações de doses imediatas e significativas.” 

Objetivos 

Segundo Fore, para cumprir a meta coletiva de acabar com a pandemia no ano que vem, ainda há muito trabalho a ser feito. 

Ela lembrou que, embora muitos cidadãos em países de alta renda já tenham começado sua vida pós-vacinação, “em países de baixa renda o futuro parece bastante sombrio.” 

Mais pessoas morreram de Covid-19 em 2021 do que em todo o ano de 2020, devido a surtos em países onde as vacinas ainda não estão disponíveis. O Unicef está particularmente preocupado com os surtos na América do Sul, Ásia e África. 

Além disso, à medida que a pandemia se intensifica, o vírus sofre mutações e produz novas variantes que podem ameaçar tanto os vacinados quanto os não vacinados. 

Chefe do Unicef, Henrietta Fore.
Foto: ONU/Evan Schneider
Chefe do Unicef, Henrietta Fore.

Por isso, Fore diz que o mundo está “em uma corrida feroz.” Segundo ela, “doar doses agora é uma política inteligente que atende aos melhores interesses coletivos.” 

Distribuição

Além das promessas de vacinas, o Unicef e outras organizações e países envolvidos na distribuição precisam de prazos claros em relação ao momento em que os imunizantes estarão disponíveis. A chefe da agência disse que “este é um elemento particularmente importante para a distribuição bem-sucedida das vacinas em países com infraestrutura de saúde deficiente.” 

Para terminar, ela lembra que a pandemia de Covid-19 mudou a vida das crianças, afetando todos os aspectos de suas vidas, como saúde, educação, proteção e prosperidade futura. 

Agora, mais do que nunca, Fore diz que as ações tomadas terão um impacto significativo e duradouro no futuro coletivo do mundo. Segundo ela, “não há tempo a perder."