Salas de aula à prova de cheias e ciclones em Moçambique atendem a 100 mil crianças 
BR

9 junho 2021

Iniciativa junta ONU Habitat, Ministério da Educação e ONGs atuando no país; medida deve aumentar número de alunos e tempo de estudo sem interrupções devido a desastres. 

Moçambique tem salas de aula resistentes a cheias e ciclones que podem acolher 100 mil crianças. A iniciativa foi implementada pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, ONU-Habitat, em cooperação com as autoridades locais e ONGs. 

A agência divulgou, nesta quarta-feira, o resultado do Projeto de Recuperação Resiliente de Emergência em parceria com o Ministério da Educação. Há mais de dois anos, os ciclones Idai e Kenneth passaram pelo centro e norte do país causando ampla destruição. 

Risco  

Foi a vulnerabilidade de Moçambique ao clima que levou as ONGs Oikos-Cooperação e desenvolvimento e Visão Mundial a iniciar o projeto em 2017. Mais de 600 salas de aula foram construídas e reabilitadas na primeira fase.  

Secretário-geral António Guterres visita uma escola no campo de Mandruzi, reassentamento a 40 km da Beira, em Moçambique.
ONU/Eskinder Debebe
Secretário-geral António Guterres visita uma escola no campo de Mandruzi, reassentamento a 40 km da Beira, em Moçambique.

 

Depois, o Banco Mundial apoiou a expansão a reconstrução de 3 mil salas de aula, aliando a experiência de quase duas décadas da ONU-Habitat em infraestruturas resilientes e na redução do risco de desastres.  

A reabilitação e reconstrução aconteceram nas províncias de Niassa, Zambézia e Nampula em áreas frequentemente afetadas por enchentes, chuvas intensas e ventos fortes. No país africano, que é um dos mais vulneráveis às alterações climáticas, ocorrem cada vez mais ciclones e cheias.  

Com uso de técnicas tradicionais, a iniciativa agrega materiais locais como lama, pedras, bambu a materiais convencionais testados. Desta forma são minimizados os danos às infraestruturas escolares, que vêm impedindo o acesso contínuo à educação. 

Comunidades  

A agência da ONU revelou ainda que a abordagem envolve as autoridades locais, comunidades e empreiteiros locais. Nesse processo são treinados habitantes em técnicas de construção resilientes e no emprego, para que possam usar o método resiliente na construção de casas e outras infraestruturas. 

País africano é um dos mais vulneráveis às alterações climáticas
Foto: Unhcr/Zinyange Auntony
País africano é um dos mais vulneráveis às alterações climáticas

 

Para o líder de Muchaleque, uma comunidade beneficiária, com os métodos de construção usados nas salas de aula estas serão mais resistentes. Martinho Nikuava disse que muitas pessoas têm sido treinadas no método de construção. 

Método  

Ele realçou o grande sofrimento na etapa anterior e as comunidades tinham que consertar as salas de barro com frequência. As novas salas foram acolhidas por toda a comunidade, principalmente as crianças. 

A expectativa é que com as novas salas de aula resilientes haja um aumento nas matrículas de alunos e melhores condições de estudo, sem interrupções devido ao clima. 

Alunos recebem aulas em escola sem teto na Beira.
ONU/Eskinder Debebe
Alunos recebem aulas em escola sem teto na Beira.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud