Violência entre diferentes grupos étnicos assola a província congolesa de Ituri desde 2017

RD Congo registra milhares de deslocados em semana de ataques que mataram 57   BR

Unicef/MADJIANGAR
Violência entre diferentes grupos étnicos assola a província congolesa de Ituri desde 2017

RD Congo registra milhares de deslocados em semana de ataques que mataram 57  

Desenvolvimento econômico

Acnur conta que muitos congoleses estão dormindo ao relento na área oriental de Ituri; moradores buscam refúgio em igrejas superlotadas e ação humanitária enfrenta obstáculos; ataques com balas e facões mataram pelo menos sete crianças.

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, pediu ação urgente no aumento da segurança para proteger os civis na região de Ituri no leste da República Democrática do Congo, RD Congo.  

Na segunda-feira, pelo menos 57 pessoas foram assassinadas em vilarejos perto das cidades de Boga e Tchabi após ataques do grupo armado Forças Democráticas Aliadas, ADF. Sete crianças estão entre as vítimas de balas e facões. 

Roupas do corpo  

Em nota, a agência da ONU lembrou do respeito ao caráter humanitário dos locais de deslocamento. Muitos afetados foram forçados a fugir, por várias vezes, com medo de novos ataques. Milhares de pessoas levavam apenas a roupa do corpo.  

Dois meninos em assentamento em Ituri, na República Democrática do Congo
UNICEF/Desjardins
Dois meninos em assentamento em Ituri, na República Democrática do Congo

 

Na mata, vários deslocados dormem a céu aberto apesar de a maioria ter sido recebida por famílias já com poucos recursos. A insegurança levou outra parte deles a buscar refúgio em igrejas superlotadas e limita a ação humanitária. 

As atividades foram temporariamente suspensas nos centros de saúde. Os funcionários tiveram que ser transferidos para Bunia, a capital provincial de Ituri.  

Deslocados

O Acnur realça que as instalações de uma das entidades parceiras foram saqueadas, deixando milhares de pessoas sem ajuda essencial. No terreno, equipes da agência da ONU avaliam as necessidades dos deslocados e da comunidade anfitriã.  

O chefe humanitário da ONU na RD Congo, David McLachlan-Karr, condenou os ataques às violações do Direito Internacional Humanitário. 

Os conflitos e a violência na província de Ituri já deslocaram 1,6 milhão de pessoas desde que iniciaram em finais de 2017.    

Tropas de paz da Missão das Nações Unidas na RD Congo, Monusco, patrulham Ituri.
Monusco
Tropas de paz da Missão das Nações Unidas na RD Congo, Monusco, patrulham Ituri.