Bachelet quer que Líbia e União Europeia protejam migrantes no Mediterrâneo 
BR

26 maio 2021

Alta comissária para os Direitos Humanos disse que grande parte do sofrimento e morte na rota migratória é evitável; somente este ano, pelo menos 632 pessoas já perderam a vida tentando entrar na Europa. 

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, exortou o Governo de Unidade Nacional da Líbia e a União Europeia a reformar com urgência as políticas de busca e salvamento no Mediterrâneo Central. 

Na quarta-feira, o Escritório de Direitos Humanos divulgou um relatório indicando que a falta de resgate priva os migrantes de suas vidas, dignidade e direitos humanos. 

Falhas 

Em comunicado, Bachelet afirma que “a verdadeira tragédia é que grande parte do sofrimento e da morte” na região “é evitável.” Segundo ela, “todos os anos, as pessoas se afogam porque a ajuda chega tarde demais ou nunca chega.” 

Bachelet destaca que Escritório de Direitos Humanos da ONU levantou sérias preocupações com uso de ferramentas de vigilância
Foto: ONU News/Daniel Johnson
Bachelet destaca que Escritório de Direitos Humanos da ONU levantou sérias preocupações com uso de ferramentas de vigilância

Ela contou que os resgatados são forçados a esperar dias ou semanas para desembarca com segurança, mas muitas vezes são retornados à Líbia, onde não estão seguros, por causa da violência.  

De acordo com o relatório, as falhas são “uma consequência de decisões políticas e práticas concretas” de autoridades líbias, dos Estados-membros da União Europeia e de atores para criar um ambiente que põe a dignidade e os direitos humanos. 

Pesquisa 

O relatório, que cobre janeiro de 2019 a dezembro de 2020, mostra nota que os países da União Europeia reduziram significativamente suas operações de busca e salvamento. Ao mesmo tempo, ONG humanitárias foram impedidas de resgatar os migrantes. 

Os navios comerciais também evitam ajudar por causa da burocracia do desembarque e outros impasses. 

Para a Europa, a Guarda Costeira da Líbia tem que assumir mais responsabilidades, mas sem salvaguardas de direitos humanos suficientes. 

Com isso, subiram as interceptações e retornos à Líbia, onde os migrantes continuam a sofrer graves violações e abusos. 

Em 2020, pelo menos 10.352 migrantes foram interceptados pela Guarda Costeira da Líbia no mar e reconduzidos ao país, em comparação com 8.403 em 2019. 

Somente este ano, mais de 630 pessoas morreram afogadas na parte central do Mediterrâneo fazendo a perigosa jornada para chegar à Europa
OIM/Hussein Ben Mosa
Somente este ano, mais de 630 pessoas morreram afogadas na parte central do Mediterrâneo fazendo a perigosa jornada para chegar à Europa

Vítimas 

Apesar de uma queda acentuada, centenas continuam perdendo a vida nessa rota. Desde janeiro deste ano, foram menos 632 mortes. 

Com a pandemia, alguns migrantes resgatados tiveram que fazer a quarentena a bordo dos navios. Ao serem liberados, falta de condições de recepção e risco de detenção prolongada e outros desafios. 

Bachelet diz que ninguém deve ser obrigado a arriscar a vida, ou de suas famílias, em busca de segurança e dignidade.  

Para ela, “a resposta não pode ser simplesmente evitar partidas da Líbia ou tornar as viagens mais desesperadoras e perigosas.” 

O tema, trata-se de um “desprezo letal por pessoas que estão desesperadas” 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud