Américas apresentam quadro misto da pandemia 

Covid-19: OMS cita Brasil entre opções para aumentar vacina nas Américas  BR

Unicef/Evgeniy Maloletka
Américas apresentam quadro misto da pandemia 

Covid-19: OMS cita Brasil entre opções para aumentar vacina nas Américas 

Saúde

Dependência excessiva das importações de insumos limita acesso a imunizantes; mais de 90% dos equipamentos são comprados fora da região, que tem 3% da população totalmente vacinada. 

O Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde para as Américas, Opas, citou o Brasil ao lado da Argentina, do México e de Cuba como fabricantes estabelecidos de vacinas que ajudaram a imunizar várias gerações de latino-americanos. 

A diretora-geral da Opas, Carissa Etienne, afirma que existe um longo caminho a percorrer na proteção de todos. Ela apontou a urgência de mais vacinas na região que é “testada pela pandemia de maneira severa”. 

Doses  

América Latina e o Caribe vacinaram apenas 3% da população até agora. Dos mais de 400 milhões de doses, administradas nas Américas, a maior parte foi para os Estados Unidos. Quase 50% dos moradores dos Estados Unidos receberam pelo menos uma dose e cerca de 85% das pessoas acima de 85 anos completaram a imunização. 

O alerta foi feito pela diretora-geral da Opas, Carissa Etienne
OMS/C. Black
O alerta foi feito pela diretora-geral da Opas, Carissa Etienne

 

A Opas lembrou que algumas das instalações do Brasil, de Cuba, da Argentina e do México estão sendo preparadas para produzir as vacinas graças a acordos com fabricantes como a AstraZeneca. Mas para atender a demanda, será preciso multiplicar esses esforços. 

O braço regional da OMS já distribuiu mais de 12 milhões de doses nas Américas. Outras 770 mil unidades devem chegar à América Central e ao Caribe. 

Na semana passada, a região teve 1,2 milhão de novos casos de Covid-19 e 31 mil óbitos. Etienne disse que a queda de infecções, em abril, ofereceu um “alívio” aos sistemas de saúde. 

Cuidados no Brasil  

No Brasil ocorre “uma pausa nas tendências decrescentes observadas nas semanas anteriores”. E 90% dos leitos de UIT estão ocupados, um sinal de “alto risco de comunidades não receberem cuidados necessários”.  

Pintura da mensagem #TodosPelasVacinas na passarela do Anhembi
Fabio Bardella & André Michiles
Pintura da mensagem #TodosPelasVacinas na passarela do Anhembi

 

Em relação aos imunizantes, a Opas defende que é preciso aumentar a produção de toda a cadeia de valor desde os ingredientes usados nas vacinas até os frascos e seringas para aplicá-las, sem que tal comprometa a qualidade. 

Oito autoridades regulatórias nacionais podem supervisionar esse trabalho na região com fortes instituições acadêmicas e de pesquisa, capacidade de fabricação existente, sistemas regulatórios robustos e um mecanismo eficaz de aquisição. 

A representante realçou ainda que é imprescindível expandir a capacidade regional de fabricação de suprimentos médicos estratégicos, principalmente vacinas, tanto em favor da população como por uma questão de segurança sanitária. 

Equipamentos  

Etienne apontou fatores como proibições de exportação, atrasos na cadeia de abastecimento e falta de poder de compra que se associam para limitar suprimentos de oxigênio para equipamentos de proteção individual, medicamentos e vacinas vitais para a resposta. A população sofre com as consequências dessa situação. 

As Américas produziram menos de 4% dos produtos médicos usados durante a resposta à pandemia. Mais de 90% desses equipamentos são adquiridos fora da região. 

Para o braço regional da OMS, as lacunas no acesso às vacinas na América Latina e no Caribe são um sintoma da dependência excessiva da região das importações de insumos médicos essenciais. 

Doses de vacinas chegando no Aeroporto internacional Jorge Chavez, no Peru
Unicef/Jose Vilca
Doses de vacinas chegando no Aeroporto internacional Jorge Chavez, no Peru